Parada Gay terá protesto contra Feliciano

Deputado pôs na pauta de votação de comissão projeto de 'cura gay'; evento em SP será no dia 2 de junho

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

02 Maio 2013 | 12h51

O último trio elétrico da 17ª Parada Gay, que será realizada no dia 2 de junho na Avenida Paulista, vai protestar contra pessoas que tentaram diminuir os direitos conquistados pelos homossexuais. O deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que colocou na pauta da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, da qual é presidente, a votação do projeto chamado de "cura gay", será lembrado durante a manifestação. “Não queremos retrocesso como tem sido imposto por religiosos e fundamentalistas”, afirmou o presidente da Associação da Parada do Orgulho GLBT, Fernando Quaresma, em evento nesta quinta-feira, 2, para divulgação da programação da parada.

O diretor-executivo da associação, Nelson Matias, afirmou que o trio elétrico será em protesto contra todos os “infelicianos”. “O quadro é caótico em Brasília com a presença do Feliciano na Comissão de Direitos Humanos. Mas ele é só a ponta do iceberg”, disse. "Se todos fossem considerados cidadãos, a gente não precisaria estar tomando as ruas. Estamos vivendo uma era de retrocesso, uma era das cavernas."

O tema da parada este ano será "Para o armário nunca mais! União e Conscientização na luta contra a homofobia". O objetivo dos organizadores é lutar contra possíveis retrocessos nos direitos já conquistados pela comunidade GLBT.

Após três anos sem show de encerramento, a Parada Gay terá a cantora Ellen Oléria como atração final. Vencedora da primeira temporada do reality show The Voice Brasil, da TV Globo, no ano passado, Ellen é homossexual e chegou a levar sua namorada ao programa.

A Associação da Parada do Orgulho GLBT também procurou a cantora Daniela Mercury, que em abril assumiu ter um relacionamento amoroso com uma mulher. A artista cantaria o Hino Nacional ou estaria em um dos trios elétricos, porém sua participação ainda não foi confirmada.

Até a manhã desta quinta-feira, 17 trios elétricos já estavam confirmados na parada. A organização espera contar com 22 carros de som - no ano passado, foram 14. A Polícia Militar pretende levar 1.200 policiais para o evento, além de fazer o monitoramento de ocorrências com câmeras e helicópteros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.