Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Parada Gay deve ter novas regras, mas será mantida pela Prefeitura

Evento em junho deste ano é alvo de investigação; funcionário responsável pela realização foi exonerado no mês passado

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2015 | 13h31

SÃO PAULO - Sob  suspeita de fraude, a realização da Parada Gay será mantida pela Prefeitura de São Paulo. Nesta sexta-feira, 6, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que o evento deve, no entanto, ser submetido a um "novo conjunto de normas". "Não se trata de não fazer (a Parada Gay), mas de fazer bem feito", disse.

O evento realizado em junho deste ano é alvo de investigação da Controladoria-Geral do Município (CGM ). Entre as irregularidades, o órgão suspeita de manobras ilegais na contratação da empresa SP Eventos.

Um funcionário da Prefeitura responsável pela realização da Parada foi exonerado no mês passado. Segundo as investigações, ele teria participação direta na escolha da empresa, contratada sem licitação por cerca de R$ 1,3 milhão. 

A SP Eventos foi responsável pela a estrutura da Parada, com fornecimento de palco, equipamentos de som e iluminação e toda a estrutura ao redor do evento, como banheiros químicos.

"Nós temos uma Controladoria que claramente é uma das melhores do Brasil. Ela tem autonomia para investigar,  auditar e também estabelecer o direito de defesa daquele que eventualmente foram alvo de investigação", afirmou o prefeito.

Haddad também disse que vai esperar o resultado das investigações, que já estão em fase final. "A Controladoria deve soltar um conjunto de normas a serem observadas nas próximas edições", disse.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Parada Gay Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.