Para urbanista, fiscalização deveria ter parceria com morador

A urbanista e diretora do movimento Defenda São Paulo, Lucila Lacreta, acredita que a fiscalização do Psiu seria mais eficiente se a Prefeitura investisse na parceria com associações de moradores de bairro e até com a PM.

O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2012 | 03h03

"Representantes desses grupos são as pessoas mais indicadas para ajudar na fiscalização, porque conhecem muito bem a região em que moram. Sem contar que são normalmente eles que ligam para a Prefeitura para fazer a denúncia", diz Lucila.

Para ela, a PM poderia auxiliar no flagrante, já que normalmente os policiais atendem as queixas de perturbação durante a madrugada. "Como a população sabe que não pode contar com a administração municipal, acaba chamando a polícia."

A urbanista afirma que em casos de desrespeito ao barulho, campanhas de conscientização não têm resultado prático. "O dono do bar sabe que está infringindo a lei e não vai mudar a finalidade do estabelecimento, ainda mais sabendo que a fiscalização é falha. Ele prefere pagar a multa e manter o negócio aberto", diz Lucila. / C.B. e F.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.