Conceição comprou filtro com dinheiro próprio
Conceição comprou filtro com dinheiro próprio

Para tratar parasitose, médica sorteia filtro

Profissional integra equipe do programa Mais Médicos, cuja atuação já divide a opinião dos pacientes atendidos na periferia de Salvador

TIAGO DÉCIMO, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2013 | 03h06

SALVADOR - Sortear um filtro de água comprado com recursos próprios foi uma das primeiras medidas de saúde adotada pela médica Maria da Conceição Sousa de Abreu, de 47 anos, contratada pelo programa Mais Médicos para atuar em Nova Esperança, comunidade periférica de Salvador. A qualidade da água consumida ali, segundo ela, está relacionada aos muitos casos de parasitose na região. O primeiro equipamento, que custou R$ 48, foi sorteado na sexta-feira, 18, entre famílias com crianças. "Decidi fazer a doação como um símbolo da importância de tratar a água antes do consumo", diz.

Conceição já iniciou uma campanha para comprar filtros para as famílias mais carentes. Paralelamente, faz palestras para explicar os benefícios de filtrar e ferver a água. "O principal problema é a falta de saneamento básico. Isso, somado ao problema de carência de educação, acarreta doenças", declara.

Um mês e meio depois do início da atuação dos profissionais do Mais Médicos nos postos da região, as opiniões dos pacientes sobre as mudanças se dividem. Alguns elogiam a atenção durante as consultas, outros criticam o aumento da espera pelo atendimento. "Os que estavam antes eram brutos", relata a diarista Roquelina de Oliveira, de 28 anos. "Além de tratar mal, eles não cumpriam horários", lembra. "A gente tinha a opção de marcar com antecedência, mas não adiantava, porque eles chegavam ao posto tarde. Agora, a médica chega às 7h e ouve o que a gente fala", diz. Já a diarista Daiana Gomes, de 22 anos, reclama da demora para o atendimento. "A médica trata com atenção, mas demora muito para quem está na fila", diz. "Antes, a gente tinha a opção de agendar a consulta com antecedência, mas agora é por ordem de chegada", completa.

Segundo a administração da unidade, a mudança no agendamento tem relação com a falta de um dos profissionais do programa, uma argentina que ainda não teve a documentação liberada para iniciar o trabalho.

Resultados. Balanço divulgado pelo Ministério da Saúde aponta que, no primeiro mês de trabalho dos profissionais do Mais Médicos, em setembro, foram realizadas cerca de 320 mil consultas nas unidades básicas do País - considerando os 577 brasileiros e os 260 estrangeiros que obtiveram registro naquele mês. Além disso, no período, 13,8 mil pacientes retiraram remédios das farmácias populares com receitas emitidas por profissionais do programa.

Mais conteúdo sobre:
mais médicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.