Para Serra, não houve intransigência em conflitos de São Paulo

Governador disse que 'não existe o dinheiro para dar o ajuste salarial que a polícia pede'

Eduardo Reina, de O Estado de S. Paulo,

17 de outubro de 2008 | 16h05

O governador José Serra comentou o conflito entre policiais civis em greve e a Polícia Militar dizendo que não houve intransigência por parte do governo. O governador disse também, durante a inauguração do Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso, que "não existe o dinheiro para dar o ajuste salarial que eles pedem. Nós não fabricamos dinheiro, dinheiro não nasce em árvores."  Veja também:'É preciso restabelecer a calma', diz FHC sobre conflitos em SPApós confronto com PMs, civis se reúnem para analisar greveConfronto entre policiais deixou pelo menos 32 feridosPoliciais civis do País podem parar em apoio à categoria em SPFuturo da greve preocupa e divide sindicatos e associaçõesErro de planejamento piorou situação do conflito entre polícias Serra culpa CUT e PT por confronto entre polícias  'Serra joga nas nossas costas problema que é dele', diz PT-SP  'Teve policial atirando contra o Palácio dos Bandeirantes', conta o jornalista Marcelo Godoy  Galeria de fotos do conflito no Morumbi Policiais civis e militares entram em confronto em SP; assista 'PM tem obrigação de manter a ordem', diz José Serra Manifestação de Polícia Civil foi feita por "minoria", diz Marrey Paulo Pereira da Silva diz que José Serra não está aberto ao diálogo Antes da manifestação, Serra disse que 'não negocia com greve' Todas as notícias sobre a greve   Serra culpou ainda a crise financeira global pela dificuldade de aumentar os salários dos servidores. "Essa crise internacional gera uma responsabilidade integrada da administração", disse. Serra disse também que as manifestações têm caráter político. "Eles já chegaram a pedir demissão do secretário e do delegado geral de polícia", afirmou. O governador ressaltou que acredita na união das polícias militar e civil e que o evento de quinta-feira, 16, não reflete o ânimo entre as corporações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.