Para Serra e Kassab, 'trânsito é prioridade número um'

Kassab lembrou que frota já chega a 6 mi de veículos e citou como principal solução os corredores de ônibus

Carolina Freitas, da Agência Estado,

13 de março de 2008 | 21h59

Não havia momento mais propício para que o governador José Serra e o prefeito Gilberto Kassab declarassem 'prioridade número um' para o problema do trânsito na cidade de São Paulo. A semana foi de recordes nos congestionamentos, que chegaram a atingir 221 quilômetros. Durante o lançamento da obra de expansão da Linha 5 (Lilás) do Metrô, na manhã desta quinta-feira, 13, Serra admitiu: "São Paulo tem problemas graves de transportes. O trânsito é nossa preocupação número um na área de obras."   Veja também: Acompanhe a situação do trânsito em SP agora Pesquisadores mostram como se forma o trânsito  Para especialistas, caminhões 'dão nó' nas ruas O trânsito, para você, tem piorado? Opine    Kassab lembrou o aumento na frota paulistana, que já chega a 6 milhões de veículos. "Trânsito é um tema que não pode ser deixado de lado e a nossa administração tem dado prioridade à questão", disse. "Leviandade seria dizer que resolveremos todos os problemas."   No evento, em Santo Amaro, na zona sul da capital, Kassab entregou R$ 200 milhões para o governo do Estado para a expansão do Metrô. Está previsto o repasse total de R$ 1 bilhão, com recursos do Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) da Prefeitura. É o primeiro investimento municipal no metrô em 28 anos. "A cidade está corrigindo um grande equívoco das administrações anteriores", acusou Kassab. "O Metrô é uma obra essencial, o mais importante projeto de infra-estrutura de São Paulo."   Kassab, possível candidato à eleição municipal deste ano, aproveitou a oportunidade para alfinetar os antecessores na Prefeitura. "Se cada um dos oito prefeitos que vieram antes de mim tivesse destinado R$ 1 bilhão de reais para a expansão da malha metroviária, estaríamos hoje com 100 quilômetros de metrô." A capital conta hoje com parcos 61,3 quilômetros.   A obra inaugurada hoje deve levar dois anos para ficar pronta. A primeira etapa leva o metrô do Largo Treze de Maio até o Campo Belo e cria a estação Adolfo Pinheiro. Na etapa seguinte, serão instaladas seis estações intermediárias: Ibirapuera, Moema, Servidor, Vila Clementino, Santa Cruz e Chácara Klabin.   Curto prazo   Para aliviar o caos do trânsito a curto prazo, o prefeito citou como principal solução a construção de corredores de ônibus, para tornar mais rápido o transporte coletivo. Kassab citou a entrega das obras do Expresso Tiradentese dos corredores Celso Garcia-Centro e da avenida Vereador José Diniz. "Estudamos a implantação de outros projetos de corredor", disse.   Kassab prometeu, ainda, que até o final de sua gestão, todos os semáforos da cidade se tornarão eletroeletrônicos, o que permitiria uma sincronização de fases em tempo real, de acordo com o fluxo de tráfego nas ruas. "Com investimentos muito pesados, nossa rede de semáforos será totalmente transformada de eletromecânica para eletroeletrônica."   Mudanças   O secretário de Transportes do município, Alexandre Moraes, anunciou, também nesta quinta-feira, 13, que a administração municipal pretende proibir o estacionamento de carros em ruas e avenidas movimentadas, com o objetivo de disponibilizar mais faixas de tráfego. A medida faz parte de um pacote de medidas que o secretário afirmou que a prefeitura pretende colocar em prática em abril.   Outra medida que a prefeitura pretende implementar é ampliar o horário de restrições para o transporte de cargas em vias de grande fluxo de veículos, como a Marginal do Tietê, a Marginal do Pinheiros e Avenidas 23 de Maio e dos Bandeirantes. O secretário não explicou, no entanto, se essa medida, na prática, seria a proibição definitiva de caminhões nos horários de pico nestas vias de grande circulação.   Segundo o secretário, que não deu muitos detalhes das ações, as medidas deverão ser adotadas nos horários de pico, a exemplo do que já acontece com o rodízio diário de veículos. Uma das medidas anunciadas é melhorar a fluidez nos corredores de ônibus, alterando os tempos de parada nos semáforos. "Isso pode dar mais fluidez nos corredores", disse o secretário, durante a entrevista coletiva que concedeu após a cerimônia de assinatura do convênio entre a prefeitura e o governo do Estado, onde a administração municipal repassou R$ 200 milhões para o Metrô realizar desapropriações para a ampliação do serviço.

Tudo o que sabemos sobre:
trânsito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.