Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Para poupar água, Sesc remove duchas e reduz pressão em torneiras

Instituição diminuiu tempo de liberação de água de 30 para 15 segundos; usuários aprovam as mudanças

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Os frequentadores da piscina do Sesc Belenzinho, na zona leste de São Paulo, não têm mais seis duchas para tomar banho e tirar o cloro da água do corpo. Com a crise hídrica, quatro equipamentos foram retirados e, no lugar, foram colocados avisos para informar sobre a necessidade de economizar água. A retirada aconteceu há um mês. Outra medida da instituição foi a diminuição da pressão nas torneiras e do tempo de liberação de água, que caiu de 30 para 15 segundos. 

A autônoma Ana Cibele Assis Mendes, de 31 anos, foi com a filha Ana Júlia, de 9, à piscina do local para se refrescar nesta quinta-feira, 16. Na hora de usar a ducha, ela foi rápida e só acionou o dispositivo para liberar a água do chuveiro uma vez. “A gente tem de participar. Ou participa ou fica sem água. Não precisa demorar. É só tirar o cloro e acabou”, disse.


A iniciativa foi aprovada pelo produtor Gerlan Vieira Dantas, de 37 anos. “Para o momento que estamos vivendo, é válido.” Dantas mora na Freguesia do Ó, na zona norte, e já está adotando medidas para economizar água. “À noite, a gente faz xixi e não dá descarga. Deixa para dar de manhã. Também estamos aproveitando a água do banho da minha filha para dar descarga”, contou o produtor, que é casado e pai de uma menina de 1 ano e 5 meses.

Conscientização. Embora não tenha se deparado com as torneiras secas, a editora de vídeo Sibila Gomes, de 27 anos, está preocupada com a crise. Ela mora na Liberdade, na região central de São Paulo, e concorda com o trabalho de conscientização, mas acredita que as ações deveriam ter começado antes. “A situação está crítica como nunca vi antes, mas não deveria precisar chegar a esse ponto. Deveria ser uma consciência do dia a dia”, afirmou.

Diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda disse que a redução do consumo de água faz parte das ações da instituição. “O Sesc São Paulo tem programa permanente de uso racional de água e energia, tendo sempre a perspectiva do caráter educativo.”

Ele disse que a diminuição dos temporizadores das duchas foi adotada em agosto. “As piscinas continuam funcionando normalmente, exceto as unidades de Itaquera (na zona leste) e Interlagos (na zona sul), que estão em manutenção.”

Veja mapa da falta de água em São Paulo:


 

Tudo o que sabemos sobre:
SescSão Paulocrise hídrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.