Para personalizar, ladrilho hidráulico

Feito artesanalmente, virou o queridinho dos arquitetos e caiu no gosto popular, inspirando até adesivos decorados para azulejos comuns

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2012 | 03h08

Revestimento que surgiu no Brasil no começo do século passado, o ladrilho hidráulico virou hit, a ponto de ser encontrado até mesmo em lojas de bairro. É um item decorativo que caiu tanto no gosto popular que os desenhos mais clássicos passaram a inspirar adesivos (R$ 68, kit com 15 ), feitos para ser sobrepostos ao azulejo comum.

"Ele ficou muito tempo esquecido. Depois voltou à moda porque nós, arquitetos e designers, sugeríamos o material aos clientes. Mas isso mudou. Agora é o consumidor que chega ao escritório e pede o ladrilho hidráulico", diz Flávia Gerab, que desenha peças exclusivas para seus clientes. Seu processo artesanal de produção permite projetos bem autorais. Flávia prefere colocá-lo sempre em áreas mais despojadas.

Mas, na verdade, não há regra. É um revestimento que pode ser colocado em qualquer espaço como o chão da sala e até nas paredes, dando efeito de mosaico.

"O importante é usar sempre uma resina por cima", explica Hamilton Rocco Júnior, de 36 anos, um dos sócios da Ladrilar, a mais antiga fábrica de ladrilhos hidráulicos em funcionamento em São Paulo. "O material é muito poroso. Se não impermeabilizar, encarde e absorve gordura."

Pioneiro. A Ladrilar foi inaugurada em 1922 pelo italiano Federico Dalle Piagge, bisavô de Rocco Júnior. Na época, ele trouxe uma das técnicas mais modernas de revestimento.

Seu pioneirismo tem o reconhecimento do mercado. Hoje, na Vila Leopoldina, zona oeste, há uma fábrica com seu nome, mas é apenas uma homenagem. A Dalle Piagge não tem nada a ver com a Ladrilar, que restaurou a cobertura do Edifício Martinelli, no centro da capital, no ano passado.

"Fomos chamados para fazer o trabalho porque o nome da Ladrilar estava nos arquivos da construção do prédio inaugurado em 1934. Eu não sabia disso porque não temos arquivos antigos", conta Rocco Júnior.

Recentemente, ele recebeu encomenda dos grafiteiros Otávio e Gustavo Pandolfo, que formam osgemeos. "Eles trouxeram um desenho que saiu totalmente do padrão."

Em média, o ladrilho hidráulico mais barato é o liso que custa a partir de R$ 68 o metro quadrado. Os preços vão subindo de acordo com a complexidade dos desenhos escolhidos para as peças. O m² do ladrilho com motivos clássicos, como o de flores, sai por volta de R$ 190.

Outra opção para quem quer um projeto personalizado é a Ornatos, na Penha, zona leste. A empresa participou do restauro de prédios históricos do centro como o Teatro Municipal e a Casa da Marquesa de Santos no Pátio do Colégio.

ONDE: LADRILAR: RUA PORTO CALVO, 69, BOM RETIRO, TEL. (11) 3228-6409; ORNATOS: TEL. (11) 2646-4495; DALLE PIAGGE: TEL. (11) 3834-9896; WWW.ELO7.COM.BR (ADESIVOS)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.