''Para nós, em geral, o ecletismo na programação é uma qualidade''

O diretor do Sesc, Danilo de Miranda, conta que já teve diversos convites para assumir secretarias e candidaturas, mas sempre recusou. Preferiu continuar à frente da instituição onde trabalha há 27 anos e cuida de umas das programações mais extensas do Estado. "Acho que temos funcionado bem."

, O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2011 | 00h00

Qual é o principal papel do Sesc Belenzinho?

Ainda não tínhamos na zona leste uma unidade tipicamente urbana, com programação que pudesse ser usada pela população ao longo da semana.

A que você atribui o sucesso?

O lugar físico é indispensável, mas é necessário que tenha uma programação interessante e atenda bem as pessoas. E isso vale para todas as unidades. Tem gente que vai sem saber o que vai acontecer, pontualmente. Mas sabe que vai ter coisas boas. Para nós, em geral, o ecletismo é qualidade.

Você se sente como um secretário de Cultura do Estado?

A instituição tem uma missão e temos de fazer essa missão ser cumprida. Isso se confunde com missões públicas. Mas nós estamos fazendo o nosso papel e o Estado tem o dele. É o Estado quem faz políticas públicas. Estamos sempre dispostos a colaborar e trabalhar juntos com a sociedade, sempre na medida que não temos vínculos político-partidários.

E como será o futuro?

Enquanto tivermos uma parte da população, seja dos comerciários, que é o nosso grupo prioritário, ou das pessoas em geral que não tenham esse tipo de atendimento, temos um caminho. Do ponto de vista quantitativo, estamos frequentemente planejando novas unidades. E todas já pensadas com um programa, contemplando o que a gente quer lá dentro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.