Para ministro brasileiro, ato é 'inaceitável'

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota (foto), classificou como "muito preocupantes" as acusações de abuso sexual feitas contra o diplomata. "Pessoalmente, eu consideraria inaceitável se algum diplomata brasileiro se portasse daquela maneira em qualquer país que estivesse acreditado", disse.

O Estado de S.Paulo

20 Abril 2012 | 03h03

Patriota informou que o governo vai enviar uma nota para a Embaixada do Irã no Brasil, pedindo esclarecimentos sobre o ocorrido e a apuração dos fatos. "De acordo com a reação, examinaremos que direção deveremos tomar."

Ghorbani ainda pode ser declarado "persona non grata" e acabar expulso oficialmente.

O documento também deve ressaltar que a Convenção de Viena assegura imunidade penal, civil e administrativa para agentes diplomáticos, mas estabelece que todas as pessoas com privilégios e imunidades devem respeitar as leis do Estado onde estão. Brasil e Irã são signatários do documento internacional. / LÍGIA FORMENTI

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.