Para Kassab, parecer dá respaldo legal para ações

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (sem partido), confirmou ontem que o projeto em estudo pelas secretarias municipais pretende ampliar as internações involuntárias (com laudo médico) e compulsórias (com autorização da Justiça) de dependentes químicos na cidade. Mas, segundo ele, elas já são realizadas. "Agora estamos amparados pela manifestação da Procuradoria, dizendo que é possível, sim, a Prefeitura desenvolver tal projeto na escala que queremos."

, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2011 | 00h00

A coordenadora de Saúde Mental, Álcool e Drogas da Prefeitura, Rosângela Elias, diz que internações compulsórias e involuntárias têm sido feitas desde fevereiro de 2009. Em dois anos, diz ela, foram 111 pessoas. Todos os casos são respaldados por avaliação médica. "Elas ocorrem em casos extremos, quando há risco de vida. Mais significativas são aquelas em que o dependente escolhe se tratar após criar vínculo com os agentes de rua", diz.

"O problema do crack é gravíssimo. Não podemos ter preconceito para achar a solução. A política que a Prefeitura tem adotado é tentar tudo", resumiu o secretário da Saúde, Januário Montone. / F.F. e B.P.M

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.