Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Para Haddad, PSDB é que tem de responder por secretário condenado

Prefeito afirmou que decisão judicial foi revista e que PSDB, ex-partido de Ricardo Teixeira, também deve ser cobrado

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

10 Julho 2014 | 16h35

Atualizada às 20h33

SÃO PAULO - Depois de devolver o comando da Secretaria Municipal das Subprefeituras a Ricardo Teixeira (PV), exonerado em 26 de junho por ordem judicial, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou nesta quinta-feira, 10, que o governo estadual é que deveria ser cobrado pela acusação de improbidade administrativa imposta ao secretário, já condenado pela Justiça. “Acho que o governo deveria estar respondendo. Se fosse do meu governo, eu estaria. Mas esse episódio é de 2001, do governo Mario Covas (PSDB).”
Haddad se referiu ao processo no qual Teixeira e outros dirigentes que atuaram na empresa estadual Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), em 2011, respondem até hoje. A improbidade administrativa ocorreu, segundo a Justiça, na contratação, sem licitação, de um escritório de advocacia. Por causa disso, o secretário chegou a ter os direitos políticos suspensos, mas conseguiu reverter parte da sentença.
“Uma pessoa tem direito a duplo grau de jurisdição. Se tem uma condenação de primeira instância que foi revista pela segunda, tenho de atentar para isso”, completou o prefeito, ao explicar porque resolveu renomear Teixeira na quarta-feira, após conseguir derrubar a liminar que exigia sua saída. Essa foi a segunda vez que Haddad conduz Teixeira de volta à Prefeitura. No ano passado, pelo mesmo motivo, ele foi exonerado do cargo que exercia – secretário do Verde e Meio Ambiente.
Teixeira, que é vereador pelo PV, classificou o cargo de secretário municipal das Subprefeituras como a “melhor oferta profissional de sua vida”. Ele ainda declarou nesta quinta que rejeita a pecha de “condenado”. Segundo o secretário, ele não assinou o contrato questionado no processo. 
O secretário de Haddad explicou que não se sente como um “condenado” porque a decisão judicial contra ele na primeira instância foi revertida para o pagamento de multa, que ainda não foi paga. O processo está parado no Superior Tribunal de Justiça (STJ), aguardando decisão sobre contratações de advogados sem licitação no Supremo Tribunal Federal (STF). “O que é preciso ficar claro é que não estamos fazendo nada de errado. O prefeito não está lutando contra a Justiça para me manter no cargo. O processo não acabou, de repente nem a multa tenho de pagar.”
Responsabilidade. Em nota, o deputado federal Duarte Nogueira, presidente do PSDB-SP, afirmou que a declaração de Haddad somente visa a mudar o foco da questão. “Essa é mais uma tentativa do prefeito Haddad de tentar tirar o foco sobre si e sobre a responsabilidade sobre suas ações e escolhas.” / COLABOROU ADRIANA FERRAZ 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.