Para especialista, falta de ranhuras não causou acidente

Para ex-funcionário do Comando da Aeronáutica, 'é difícil precisar a causa' de tragédia com avião da TAM

Mariana Segala, da Agência Estado,

17 de julho de 2007 | 22h59

Não é possível afirmar que a falta de ranhuras para o escoamento de água e aumento do atrito na pista principal do Aeroporto Internacional de Congonhas, na zona sul de São Paulo, tenha sido a razão do acidente desta terça-feira com o Airbus A320 da TAM. A opinião é do especialista em segurança de vôo Roberto Peterka. "É difícil precisar a causa", afirmou o funcionário aposentado do Comando da Aeronáutica.   "A presença do 'grooving' (ranhuras) teria ajudado a aumentar o atrito e, assim, o avião tocaria na pista e pararia mais rápido", diz Petarka. "Isso poderia ter evitado o ocorrido, mas não podemos dizer que foi o responsável."   Segundo o especialista, o piloto do aparelho, provavelmente, tentou arremeter - manobra "perfeitamente normal" -, ao perceber que não conseguiria pousar. "A impressão é de que o piloto notou que não seguraria o avião e, então, arremeteu", disse. O procedimento, no entanto, não teve sucesso e isso, segundo Peterka, pode ter ocorrido por diversas razões. "Pode ter sido início tardio da manobra, avaliação errada do piloto ou até falha no avião, no que não acredito."   Peterka não descarta a possibilidade de aquaplanagem (pouso sobre água), mas acredita que a chance de o piloto ter frenado a aeronave na pista é remota. "Se tivesse frenado, não teria chegado até o outro lado da avenida." O avião atravessou a Avenida Washington Luís e colidiu contra o prédio da TAM Express, provocando um incêndio.   Segundo Peterka, o acidente desta terça e a derrapagem de uma aeronave da empresa Pantanal em Congonhas na segunda foram "casualidades pontuais" e não tornam a pista menos confiável.

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.