Para escapar, casal joga carro em base da PM

Um casal escapou de um sequestro relâmpago ontem de manhã invadindo uma base da Polícia Militar em Cotia, na Grande São Paulo. Enquanto a mulher - uma analista de recursos humanos de 32 anos - dava uma gravata no assaltante, o marido - um gestor ambiental de 41 anos - guiava o carro na direção dos policiais em alta velocidade.

TIAGO DANTAS, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2013 | 02h01

O veículo derrubou cones, o que chamou a atenção de quem estava dentro da base. Assustados com a aproximação do veículo, os policiais saíram. "Achei que fosse até um ataque, mas o motorista foi muito inteligente porque desceu do carro correndo com a mão para cima dizendo: 'Eu sou vítima de sequestro relâmpago'", disse o cabo Góes, da 4.ª Companhia do 33.º Batalhão da PM.

O ajudante-geral Khaik dos Santos Cláudio, de 18 anos, foi preso em flagrante. Ele não estava armado, segundo a polícia. Com ele, foram apreendidos quatro celulares - um deles pertencia ao casal - e uma nota de R$ 10. O jovem disse aos investigadores do 1.° DP de Cotia que tentou sequestrar o casal pois precisava de dinheiro.

Abordagem. Acompanhado por um comparsa armado, Khaik abordou o casal por volta das 7 horas na Rua Professor José Barreto, próximo ao ponto de ônibus onde o gestor ambiental costuma deixar a mulher. O assaltante armado assumiu a direção e disse que pretendia ir até o centro, onde o casal teria de sacar dinheiro em caixas eletrônicos.

No meio do caminho, o suspeito bateu o carro e fugiu. Khaik, que estava sentado no banco do passageiro, fingiu estar armado e obrigou o gestor ambiental a dirigir.

O homem contou à polícia que, ao ver a base da PM, fez um sinal para a mulher, por meio do espelho retrovisor. A mulher agarrou o assaltante pelo pescoço e o marido guiou até a base. O outro suspeito não foi localizado. A PM recomenda que, durante um assalto, a vítima não reaja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.