Para engenheiros, retirada de pilar pode comprometer prédio

Especialistas dizem ser improvável que abertura de janelas ou problema em vigas ou lajes possam derrubar um edifício

NATALY COSTA , O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2012 | 03h03

Na foto do Edifício Liberdade é possível ver pequenas janelas abertas na lateral do prédio, na parte da fachada chamada de empena cega. A abertura dessas janelas é irregular e fere o Código de Obras porque prédios assim são projetados para ter uma parede sem aberturas.

Mas, segundo especialistas, é improvável que isso tenha comprometido a estrutura do prédio a ponto de causar a tragédia. "Se tivesse, teríamos visto o desabamento quando as primeiras janelas foram abertas, o que parece ter acontecido há muitos anos", explica o engenheiro José Roberto Bernasconi, presidente do Sindicato Nacional da Arquitetura e Engenharia Civil de São Paulo (Sinaenco -SP).

Além disso, haveria comprometimento da estrutura caso as janelas fossem abertas em uma parede estrutural do edifício - especialistas acreditam que a lateral era apenas uma parede de vedação, serve apenas para fechar.

A hipótese de uma falha estrutural, segundo Bernasconi, também é remota. "Quando um prédio tem um defeito de nascença, ele aparece no dia a dia e não durante uma obra. Elevadores não andam direito, portas ficam presas. Se o prédio fosse mal construído, será que até hoje não teria dado sinais?", questiona.

Ainda não se sabe como era a planta original do prédio - se os pilares eram apenas externos ou se existiam também no meio do prédio. Uma das hipóteses mais citadas pelos engenheiros para explicar a queda - ou o "colapso progressivo" do prédio - é o comprometimento não de uma parede, uma viga ou uma laje, mas de algum pilar.

Falta de pilar. A explicação é que a remoção de uma viga não derruba o prédio, mas a falta do pilar pode comprometer as vigas e a fundação. Se um pilar tiver sido retirado, os outros podem não ter dado conta de receber o peso da edificação.

"Uma obra, seja em prédio novo ou antigo, sempre deve ser cuidadosa. Me assusta muito o fato de testemunhas terem dito que pilares e vigas sumiram durante a reforma", diz o engenheiro Tarcísio Celestino. Segundo ele, manutenção e vistoria devem ser feitas no dia a dia. "Claro que o acompanhamento de um engenheiro é preciso, mas todo prédio precisa do olho do morador para perceber se alguma trinca, por exemplo, está evoluindo."

Prédios mais fortes. Vice-presidente do Instituto de Engenharia, Miriana Marques afirma que prédios antigos, como o Edifício Liberdade (de 1940), são até mais fortes e resistentes do que construções novas. "Geralmente têm pilares mais largos e com muito mais ferro na estrutura", diz. "Além de um pilar retirado, só um terremoto derrubaria um prédio desse jeito", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.