Para enfraquecer facção, polícia inverteu estratégia

A tranquila ocupação da Rocinha quatro dias após a prisão do líder do tráfico, Antônio Bonfim Lopes, o Nem, revelou inversão na estratégia de implantação das UPPs. Em vez de focar apenas a retirada do território dos bandidos, com aviso prévio para estimular fuga sem resistência, a polícia iniciou operações em outros redutos da facção Amigos dos Amigos (ADA) duas semanas antes, para fragilizar possíveis refúgios e tornar integrantes da quadrilha mais vulneráveis. Oito bandidos foram mortos e 37 presos, incluindo quatro policiais que escoltavam bandidos, como Anderson Rosa Mendonça, o Coelho. "Boa parte da tranquilidade de hoje vem do fato de a liderança ter caído antes", diz o delegado federal Vitor Poubel.

O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2011 | 03h01

Outra mudança foi o horário da invasão. Nas outras operações, policiais entravam ao amanhecer. Ontem, desembarcaram de blindados da Marinha às 4h. Para a polícia, a ação mais cedo, em fim de semana de feriado, evitou efeitos colaterais, como fechamento de vias importantes. / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.