Para Dilma, julgamento do Carandiru foi 'vitória contra a impunidade'

Sentença proferida nessa quarta-feira, 2, encerrou o julgamento, dividido em quatro etapas ao longo de um ano; 73 policiais militares foram condenados pelo homicídio de 111 detentos

O Estado de S. Paulo

03 Abril 2014 | 10h02

SÃO PAULO - A presidente Dilma Rousseff (PT) celebrou nesta quinta-feira, 3, o resultado do julgamento do massacre do Carandiru, o maior júri da história do País, em sua conta oficial do Twitter. A sentença proferida nessa quarta-feira, 2, encerrou o julgamento, dividido em quatro etapas ao longo de um ano.

Na rede social, Dilma Rousseff destacou que o julgamento, com ampla oportunidade de defesa e dentro das regras do Estado de Direito, foi "uma vitória contra a impunidade". Setenta e três policiais militares foram condenados pelo homicídio de 111 detentos na Casa de Detenção, em 2 de outubro de 1992.

Das 111 mortes, 29 foram consideradas de autoria desconhecida, e os jurados absolveram os réus. Outras cinco mortes, que seriam julgadas em um júri separado para o coronel Luiz Nakaharada, não tiveram condenação porque o acusado morreu em 2013. O julgamento do massacre também levou ao recorde de soma de penas individuais já aplicadas na Justiça brasileira: 20.876 anos para os 73 réus. Todos os PMs vão recorrer em liberdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.