Para delegado, queimado em carro mentiu

O vendedor Marcelo Bustamante Gonçalves, de 26 anos, foi indiciado ontem por falsa comunicação de crime. Na sexta-feira, o jovem procurou a polícia e disse ter sido vítima de sequestro relâmpago, momentos antes de criminosos incendiarem o carro com ele dentro - causando queimaduras em 10% do corpo.

O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2012 | 03h04

Conforme o delegado André Luiz Antiqueira, titular do 47.º Distrito Policial, no Capão Redondo, disse ao site de notícias G1, o vendedor queria se livrar do carro do pai e receber o dinheiro do seguro. "Os horários (registrados no boletim de ocorrência) não batiam. Ele disse que tinha ido a um shopping. Levantamos as imagens do circuito de segurança e ele não aparecia."

Inicialmente, o vendedor disse que estava com uma colega de trabalho, Daiana da Silva, de 22 anos, que também teria sido ameaçada, até de estupro, pelos criminosos. Ao ser confrontados com as imagens, ambos teriam confessado a farsa.

O fato que mais causou estranheza foi o de que o rapaz só teve queimaduras na parte frontal do corpo - pela disposição da cena do suposto crime, as feridas deveriam ser mais espalhadas. Ele teria usado gasolina para se queimar e enganar a seguradora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.