Para defesa, o caso era sem pé nem cabeça

Maria José de Albuquerque, de 32 anos, estava no nono mês e ia visitar o marido, preso em Assis. Passou mal e foi parar no plantão da Santa Casa. Era 31 de março de 2009. Ao examiná-la, o médico Ariosvaldo Giansante encontrou uma substância pastosa. Eram 139 gramas de maconha. A droga estava em um saco plástico, que se rasgou.

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2010 | 00h00

"Disseram que ele (Giansante) estava de plantão para receber a paciente e retirar a droga. Uma história sem pé nem cabeça", disse o criminalista Alberto Zharias Toron, que defendeu o médico. Primeiro, foi preciso soltá-lo - o habeas corpus foi obtido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2009. Depois, era preciso acabar com o processo por meio de novo habeas corpus - que foi concedido por dois votos a um. Ainda cabe recurso. "O que ele fez não é crime. O médico não se pode transformar em delator do paciente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.