Hélvio Romero/AE - 04/01/2013
Hélvio Romero/AE - 04/01/2013

Para CPTM, Alckmin declara de utilidade pública área de 10 'Pacaembus'

Medida é para construir expansão de 4,5 km da Linha 9-Esmeralda, na zona sul da capital paulista

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

29 Maio 2013 | 11h30

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) declarou de utilidade pública, para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), uma área de 71,7 mil metros quadrados na região de Varginha, na zona sul da capital. Os terrenos serão usados para a extensão de 4,5 km da Linha 9-Esmeralda, que atualmente opera entre as Estações Osasco e Grajaú. O decreto foi publicado na terça-feira, 28.

O lote tem um tamanho equivalente ao de dez campos de futebol como o do Estádio do Pacaembu, na zona oeste. A CPTM, que é controlada pelo governo do Estado, informou, por meio de nota, que ainda não sabe quantos imóveis precisarão ser desapropriados para a construção do tramo.

"O número exato de imóveis e valor a ser pago serão conhecidos após a conclusão" da fase de cadastramento, que está em curso. Ainda de acordo com a empresa, "a avaliação do imóvel é feita com base no valor de mercado".

Duas estações serão construídas nesse trecho, Mendes e Varginha. Elas devem trazer 111 mil passageiros à Linha 9, que atualmente transporta, em média, 570 mil usuários em cada dia útil. A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos prevê gastar R$ 400 milhões na obra.

Transporte ruim. Integrado à futura Estação Varginha, a Prefeitura de São Paulo construirá um terminal de ônibus. O que existe atualmente no bairro tem demanda de 180 mil pessoas por dia útil. A região é carente de transporte público de qualidade. Tanto é que os ônibus do bairro saem abarrotados do terminal todas as manhãs, rumo às áreas centrais da cidade.

O anúncio da extensão da Linha 9 até Varginha, com a construção da Estação Mendes no meio do caminho, foi feito já há quase dois anos por Alckmin. Questionada nesta terça-feira, 28, a CPTM informou que a "meta é iniciar as obras no começo do segundo semestre deste ano e concluir a implantação do novo trecho no fim de 2014".

A CPTM informou que está dando continuidade ao processo de pré-qualificação das empresas que participarão da licitação para a obra. 

Esse trecho já havia sido cortado por uma estrada de ferro, a Sorocabana, desativada há décadas. Os trilhos estão abandonados.

No início de maio, o Estado mostrou que a gestão Alckmin retirou R$ 5.550.735  da dotação específica para a construção dessa extensão para usar em publicidade de utilidade pública da CPTM. Na época, a empresa disse que o "enxugamento" de recursos não impactaria o cronograma da obra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.