Para aquecer com charme, lareira sem fumaça e chaminé

Os hits do inverno são os modelos elétricos high-tech, que oferecem até chama em 3D, e os portáteis ecológicos, à base de fluido de álcool

Valéria França, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2011 | 00h00

Ficou mais fácil curtir o frio ao lado de uma lareira. Novos modelos não precisam de chaminé, nem de ambientes espaçosos - e ainda dão charme e aconchego como os mais tradicionais à lenha. Com tantas vantagens, viraram um hit na decoração de inverno.

Eles se dividem em dois tipos - elétrico e à base de fluido de álcool. "O elétrico faz a linha high-tech e combina com ambientes modernos. Já o de álcool tem estilo clássico", explica a decoradora Letícia Ruivo.

Para quem não tem muito espaço em casa, o ideal é o elétrico de parede. Desligada, parece um monitor de TV. Quando está funcionando, reproduz a imagem das chamas se movimentando, como se a lenha estivesse de fato queimando.

Na Caloarte, a Alpínia, com moldura de espelho, 82 cm de largura, 56 cm de altura e 15 cm de espessura, sai por R$ 1.553. Modelos mais simples, com as mesmas dimensões, custam R$ 1.277.

Outra proposta é a Opti-Myst (R$ 14.990), da Entreposto. Trata-se de uma caixa envidraçada com lenha cenográfica, que imita uma lareira acesa ou apagada. Com iluminação a led, responsável pelo efeito 3D, a lenha parece mesmo queimar quando a lareira está ligada. Tem 70,3 cm de altura, 64 cm de largura e 26,5 cm de profundidade.

A lareira à base de fluido de álcool, também conhecida como ecológica, presente na maioria dos projetos da Casa Cor de São Paulo, tem um sistema parecido a de um super réchaud. Trata-se de uma câmara retangular fechada de aço inox, que queima o vapor do álcool. Só que aqui o fogo sai em linha.

O modelo menor da Artfire, um dos fabricantes, com 40 cm de comprimento e com13 cm de largura (R$ 1 mil), aquece até 16 metros quadrados.

Tradicional. Lareiras tradicionais, com chaminé, não foram abandonadas. "Há muito cliente que entra na loja procurando, por exemplo, pelas nostálgicas salamandras", diz Suzana Fornaro, proprietária da Calorarte. Outra recordista de venda é a lareira a lenha, chamada de recuperador de calor. Fechada com vidro, tem respiros na parte superior e inferior que permitem a troca do ar frio pelo quente, como em um sistema de ar condicionado. A vantagem é que esquentam mais o ambiente do que a sem vidro e não faz fumaça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.