Tiago Queiroz/AE-22/6/2010
Tiago Queiroz/AE-22/6/2010

Para aprovar Piritubão, Kassab dá poder a rivais

Prefeito aceita dar cargos de comando na Câmara até a desafetos para garantir, ainda neste ano, votações em que é preciso mudar zoneamento

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2011 | 03h05

Após acordo com desafetos oposicionistas do PT e do PR, colocados em cargos de comando da Câmara em 2012, a base do prefeito Gilberto Kassab (PSD) abriu ontem caminho para aprovar um pacote de projetos polêmicos que muda regras de zoneamento na cidade e não poderia ser votado em ano eleitoral.

O primeiro deles foi a criação de um novo centro de exposições em Pirituba, na zona oeste, orçado em R$ 450 milhões. Apesar de o governo não detalhar o número de desapropriações necessárias para a obra milionária, 39 dos 55 vereadores paulistanos aprovaram a proposta em primeira discussão - nova votação deve ocorrer amanhã à noite.

Nos próximos dias, o prefeito também espera uma oposição mansa para ver seus aliados aprovarem os projetos que autorizam a construção de mais R$ 2 bilhões em novos prédios na Avenida Faria Lima e de uma linha de monotrilho no bairro do Morumbi. Kassab pediu aos parlamentares que não deixem nenhuma proposta que possa causar repercussão negativa para o ano que vem. Quem é de oposição e foi colocado na Mesa Diretora pode até votar contra. Mas não vale ir ao plenário fazer discursos para atrasar as votações.

"Tudo de importante vai ser votado neste ano, não tem nada previsto de novo para chegar no ano que vem", admitiu ao Estado o líder de governo, Roberto Trípoli (PV). De última hora, para acabar com as obstruções do PR, os líderes do prefeito convidaram para assumir a segunda secretaria da Mesa Diretora a bancada de cinco vereadores da sigla, que indicou o vereador Toninho Paiva para a vaga.

A estratégia foi amenizar as obstruções feitas pelos vereadores Aurélio Miguel e Antonio Carlos Rodrigues - ambos são do PR e tentaram, no ano passado, derrotar o candidato kassabista José Police Neto (PSD), atual presidente, que vai ser reeleito para mais um mandato. Para acomodar os desafetos, Kassab teve de deixar de fora da Mesa duas siglas que apoiaram a primeira eleição de Police Neto: PDT e PPS. E a negociação deu certo. Menos de meia hora após o acordo, a base governista conseguiu aprovar o Piritubão. Miguel e Rodrigues votaram contra, mas não obstruíram a votação, como estavam fazendo até anteontem.

O atual presidente Police Neto vai ter agora que negociar as prioridades da Casa com seus antigos desafetos. O PT ficou na primeira secretaria, enquanto o aliado PCdoB saiu - os comunistas aceitaram o consolo de que nos próximos três anos vão comandar a Secretaria da Copa de 2014.

Oficialmente, o acordo para a nova Mesa Diretora respeitou as regras de proporcionalidade das maiores bancadas, segundo os líderes governistas. A eleição ocorre amanhã de manhã, antes da votação do orçamento da Prefeitura para 2012, estimado em R$ 38,8 bilhões.

Faria Lima. Hoje deve ser votado o projeto que descongela a região da Faria Lima para novos empreendimentos residenciais, outra mudança de zoneamento que não poderia ser votada em ano de eleições municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.