Para ajudar pedestre, CET usa mãozinha à paisana

Companhia vai misturar agentes a pedestres para incentivar gesto que pede para motorista parar na faixa; iniciativa começa na Rua Teodoro Sampaio

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2012 | 03h01

Começa a ser colocada em prática hoje uma nova tentativa de fazer com que os paulistanos utilizem o "gesto do pedestre" para atravessar a rua. Orientadores de trânsito contratados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) andarão à paisana por grandes cruzamentos da cidade fazendo o sinal para carros e motos. A intenção é estimular quem estiver ao lado dessas pessoas a perder a vergonha e também passar a gesticular antes de pisar na faixa.

Apesar de uma intensa campanha por parte da CET desde o ano passado, até agora pouquíssima gente pode ser vista por aí estendendo o braço, ainda na calçada, com o objetivo de sinalizar aos condutores o desejo de realizar a travessia. Essa indicação, contudo, só vale nos pontos sem semáforos de pedestres.

Há alguns meses, uma propaganda chegou a ser veiculada na TV estrelando a cantora Wanderléa, da Jovem Guarda, incentivando o uso do sinal. Em 2011, o secretário municipal dos Transportes, Marcelo Cardinale Branco, instituiu, com um decreto, esse procedimento.

Nada adiantou. Mas a CET está disposta a tentar mudar essa situação. Um grupo de 20 homens e mulheres passará a fazer o "gesto do pedestre" ininterruptamente pelas ruas e avenidas da capital. O foco serão oito subcentros (pontos movimentados de bairros).

O primeiro deles é Pinheiros, na zona oeste, onde os "mãozinhas" à paisana circularão por cruzamentos da Rua Teodoro Sampaio. Depois, se expandirá para a Lapa, na zona oeste, Brás, na região central, Penha e São Miguel Paulista, na leste, Santana e Vila Maria, na norte, e Santo Amaro, na sul. Os orientadores "disfarçados" de transeuntes estarão sempre em ações conjuntas com outros vestidos com um colete e uma mãozinha amarela de plástico. Também haverá mímicos.

Vergonha. "Nossas pesquisas sempre mostram que os pedestres têm vergonha de fazer o gesto. Mas uma pessoa 'normal' pode puxá-los para essa prática", diz a superintendente de Educação e Segurança da CET, Nancy Schneider. De acordo com ela, os motoristas acham mais fácil identificar a intenção da travessia quando há o gestual.

Ao todo, 500 profissionais estão sendo contratados. Eles ficarão por tempo indeterminado nesses locais fazendo a campanha, sempre das 8h às 14h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.