Papa encontrará jovens infratores e dependentes

'Haverá um olhar especial para jovens que estão privados de liberdade', ressaltou o arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta

LUCIANA NUNES LEAL / RIO, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2013 | 02h06

A agenda do papa Francisco no Rio, divulgada ontem pelo Vaticano, atende ao pedido do pontífice para ter contato direto com os pobres e com jovens vulneráveis à violência e às drogas. Além dos compromissos oficiais da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), entre os dias 23 e 28 de julho, o papa terá um encontro com cinco adolescentes infratores de instituições do Estado, visitará uma favela pacificada - mas fora do eixo turístico da zona sul - e ouvirá dependentes químicos.

"Além dos atos centrais da Jornada - a acolhida, a via-sacra, a vigília e a missa de envio -, haverá atividades que ele escolheu a dedo, incluindo a visita a uma favela e a um trabalho de recuperação de dependentes químicos dentro de uma rede maior de atendimento", disse o arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta, à Rádio Vaticano. "E haverá um olhar especial para jovens que estão privados de liberdade, um encontro simbólico que mostra a presença da Igreja ao lado desses jovens", acrescentou o presidente do Comitê Organizador Local (COL).

Questionado sobre a possibilidade de mudanças no roteiro, disse que "o papa pode tudo". "Pode resolver sair da agenda."

Os adolescentes infratores serão escolhidos por uma comissão da arquidiocese e terão autorização da Vara de Infância e Juventude para irem ao Palácio São Joaquim, a residência oficial do arcebispo do Rio, na Glória (zona sul). Já no Hospital de São Francisco de Assis, na Tijuca (zona norte), o pontífice vai inaugurar, às 18h30 do dia 24, o Polo de Atenção Integrada da Saúde Mental (PAI), apontado pela Igreja como um dos principais legados da Jornada. Além das pessoas em tratamento, o papa vai reunir-se com profissionais que trabalham na recuperação de dependentes.

Em vez de favelas acostumadas a receber muitos turistas, como Vidigal, Dona Marta, Chapéu Mangueira e Cantagalo, o papa escolheu a Varginha, aonde deverá chegar em um carro fechado e andar a pé por cerca de cem metros. Além da agenda de proximidade com os excluídos, o papa cumprirá também o roteiro oficial da Jornada, com dois eventos na Praia de Copacabana (zona sul) - a cerimônia de acolhida, no dia 25, e a via-crúcis, no dia seguinte - e outros dois em Guaratiba (zona oeste) - a vigília com os jovens, dia 27, e a missa de encerramento, às 10h do dia 28.

Inscritos. O secretário-executivo do COL, monsenhor Joel Portella, disse que há 214 mil inscritos na Jornada (60% de brasileiros) e 271 mil vagas para peregrinos. D. Orani esclareceu que a estimativa de 2 milhões a 2,5 milhões de participantes não se refere aos inscritos, "mas a todos os fiéis que participarão das atividades, incluindo os moradores do Rio".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.