Panes no Metrô e na CPTM afetam 165 mil pessoas no pico da manhã

Estações das Linhas 1 e 3 foram fechadas e passageiros seguiram a pé; metrô tem 1 falha a cada 2 dias, em média. À noite, mais problemas

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

15 Março 2012 | 03h01

Quatro panes seguidas no pico da manhã dificultaram a vida do paulistano que usa o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) ontem. Foram registradas duas ocorrências na Linha 3-Vermelha, uma na 1-Azul do Metrô e outra na Linha 9-Esmeralda da CPTM. A estimativa do governo do Estado é de que pelo menos 165 mil pessoas tenham sido afetadas.

Desde janeiro, as Linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha do Metrô registraram uma falha a cada dois dias, em média, com consequente redução de velocidade dos trens, de acordo com informativos da própria companhia. Foram 13 casos na Linha 1, 10 na 2 e outros 13 na Linha 3.

Por causa dos problemas, 11 estações da Linha 3, pelo menos uma da Linha 1 e sete da 9-Esmeralda tiveram de barrar a entrada de passageiros. A medida impede o acúmulo de pessoas nas plataformas e evita acidentes. Algumas pessoas tiveram de esperar horas para embarcar e outras foram a pé para o trabalho.

Uma quinta falha, às 15h40, afetou a Linha 2-Verde do Metrô, na Estação Sacomã. O trem com problema foi tirado da linha sem prejudicar as operações. À noite, entre 19h40 e 21h, uma queda na rede aérea voltou a interromper a circulação de trens na Linha 9. Dessa vez, o problema foi na Estação Villa-Lobos-Jaguaré, segundo o serviço de informação ao usuário da CPTM, e os passageiros das composições tiveram de seguir pela via a pé.

Rede. A primeira pane do dia já havia acontecido na CPTM, às 5h30, entre as Estações Santo Amaro e Granja Julieta. Às 6h46, um trem da Linha 3 teve falha no sistema pneumático na Estação Pedro II.

Em nota, a CPTM disse que está apurando as circunstâncias do problema. A companhia, que registrou sete panes só neste ano, informa que "herdou sistemas antigos, e trabalha na modernização".

Na Linha 9-Esmeralda, os investimentos para este ano somam R$ 115 milhões. A linha ganhou 49% mais usuários entre fevereiro de 2011 e 2012 - hoje, transporta cerca de 400 mil pessoas/dia. A principal causa é a abertura da Linha 4-Amarela do Metrô, que atraiu mais usuários para integração. A média diária de usuários no novo ramal pulou de 11,7 mil, em 2010, para 550 mil no ano passado.

Em todo o sistema, a CPTM registrou aumento de 11,6% no número de passageiros no último ano, e hoje leva média diária de 2,2 milhões de pessoas. Já no Metrô, o aumento foi de 8% em um ano: a média diária passou de 3,4 milhões para 3,7 milhões de passageiros.

O Metrô diz que as falhas de ontem foram coincidência e que a lotação das estações dificulta a resolução de panes comuns (mais informações ao lado). A companhia tem neste ano o maior orçamento para investimentos da história, no valor de R$ 4,9 bilhões. A maior parte dos recursos, porém, será destinada para as novas linhas e extensões. A Linha 1-Azul teve redução de 22% no orçamento previsto - de R$ 310 milhões, no ano passado, para R$ 242 milhões neste ano. Na 3-Vermelha, a queda foi de R$ 253,7 milhões para R$ 231 milhões neste ano (8,9%). As principais falhas de ontem foram justamente nesses ramais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.