Dario Oliveira/Futura Press
Dario Oliveira/Futura Press

Pane fecha Linha 5 e usuários voltam aos trilhos

Rompimento em cabo elétrico paralisou ramal entre Capão Redondo e Largo Treze; passageiros deixaram vagões e andaram na via

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

13 de fevereiro de 2014 | 23h00

SÃO PAULO - Mais uma vez o Metrô de São Paulo foi paralisado, no meio de horário de pico, por causa de uma falha técnica. Nesta quinta-feira, 13, o problema foi na Linha 5-Lilás, que atende a zona sul, e ficou com as seis estações em operação fechadas a partir das 18h37. Assim como ocorreu na semana passada na Linha 3-Vermelha, passageiros sem transporte caminharam sobre os trilhos. Mas não houve registro de tumultos que justificassem a paralisação prolongada.

A origem do problema, segundo o Metrô, foi o rompimento de um cabo da rede elétrica na região da Estação Giovani Gronchi. O Metrô não informou se o incidente teve relação com a chuva que atingiu a cidade. Também não foi informado se os reparos estariam finalizados até a operação desta sexta começar.

Passageiros reclamaram de falta de informação e do número limitado de ônibus colocados à disposição. Houve muita fila nas paradas.

A situação foi pior na Estação Santo Amaro. Ali, passageiros que chegavam da conexão com a Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foram orientado a caminhar até ônibus do Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (Paese). "Não estavam orientando nada. Só queriam tirar a gente da estação para não ficar lotado na plataforma", disse a monitora de eventos Clarice Carvalho, de 25 anos.

Não havia funcionários do Metrô do lado de fora da estação para orientar o embarque. Como resultado, a cada chegada de coletivo, as pessoas que esperavam na calçada se aglomeravam, furando fila e brigando, para entrar os coletivos. Os ônibus demoravam a sair, porque os motoristas não conseguiam fechar as portas, ou acabavam saindo com as portas abertas e gente pendurada.

Vendo a confusão, o analista de infraestrutura Leandro dos Santos de Oliviera, de 27 anos, preferiu caminhar até o Terminal Largo 13, da SPTrans, e pegar um ônibus comum - pagando mais uma tarifa - para tentar chegar cedo em casa. Não deu.

"Levo geralmente 40 minutos no trajeto. Hoje, demorei duas horas e meia", disse. Ele trabalha na Avenida Guido Caloi, na frente de um dos acessos à estação, e mora no Capão Redondo.

Por causa da paralisação e também da chuva, todas as linhas do sistema metroviário operaram na noite desta quinta com velocidade reduzida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.