Pamonha quente faz avião voltar a aeroporto

Caixa com alimento foi deixada perto do sensor de temperatura, que emitiu sinal de superaquecimento; aeronave sobrevoou Ribeirão por meia hora

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2010 | 00h00

Uma caixa de pamonha atrapalhou anteontem o voo 5722 da Webjet, que fazia a rota Ribeirão Preto-Curitiba. Por volta das 12 horas, o comandante recebeu um aviso automático de que a temperatura da aeronave estava acima do normal. Por segurança, decidiu retornar ao Aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão, após 20 minutos de voo. Já em solo, foi descoberto o problema: uma caixa de pamonha despachada por um passageiro foi colocada perto do sensor de temperatura, que emitiu um sinal de falso superaquecimento no bagageiro da aeronave.

Segundo a Assessoria de Imprensa da Webjet, a bagagem com a pamonha foi acidentalmente colocada perto do sensor e retirada do avião imediatamente após a inspeção técnica em Ribeirão. O avião teve de sobrevoar a cidade por cerca de meia hora para queimar combustível - procedimento padrão em casos como esse - e aterrissar com o peso ideal.

A confusão formada na cabine, porém, só foi resolvida após o pouso, quando se descobriu o motivo do superaquecimento - antes, a informação era de que a aeronave passava por problemas técnicos e precisaria retornar. Em Ribeirão, ainda assustados, alguns passageiros se recusaram a embarcar de volta no mesmo avião para Curitiba. Os cerca de 18 desistentes, segundo a companhia, foram reacomodados nos voos seguintes.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, não há restrição legal ao transporte de alimentos dentro do País, desde que sejam devidamente embalados e rotulados. O ministério recomenda, porém, que se evite o trânsito de alimentos perecíveis por via aérea por uma questão de segurança do consumidor, já que a embalagem raramente fica em condições ideais de armazenamento e conservação durante a viagem. As regras mais rigorosas em relação ao transporte de alimentos são entre países, por causa da possibilidade de transmissão de pragas e doenças.

Atrasos. Até as 18h de ontem, a Webjet tinha 29 voos cancelados e 49 atrasados, de um total de 106. A empresa diz que problemas meteorológicos prejudicaram a malha e "comprometem a escala da tripulação, que precisa ter seu tempo de descanso regulamentar respeitado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.