Palacete no Rio vai abrigar Casa do Samba

RIO

Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2010 | 00h00

Fechado desde 1974, o palacete que já abrigou o Instituto de Eletrotécnica e a Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Praça da República, no centro, será restaurado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que pretende instalar uma "Casa do Samba". Segundo o superintendente do órgão no Rio, Carlos Fernando Andrade, o processo de cessão do prédio está concluído e a licitação para as obras vai ocorrer em breve.

"Trata-se de um pleito das velhas guardas das escolas de samba, feito diretamente ao presidente Lula", diz Andrade. "O prédio hoje é uma grande ruína, mas será restaurado."

A UFRJ não tinha recursos para reformá-lo. Diretor de Preservação de Imóveis da universidade, Paulo Bellinha reconhece que o estado é "lastimável". "Há árvores nascendo na fachada. Chove lá dentro há tempos." Por ora, está confirmado o investimento de R$ 350 mil do orçamento do Iphan, mas o diretor da UFRJ estima que são necessários pelo menos R$ 3 milhões.

Andrade planeja recuperar o térreo em até oito meses. Depois, o segundo e o terceiro pisos seriam reformados para abrigar um museu do Samba de Roda, do Partido Alto e do Samba Enredo. Cobrar ingresso seria uma forma de financiar o local.

Não há registro sobre a data da construção do prédio, mas estima-se que tenha ocorrido por volta de 1910. O imóvel foi cedido para a UFRJ em 1945. Entre 1948 e 1964, abrigou o Instituto de Eletrotécnica. Em 1968, a Escola de Comunicação foi instalada no local, onde ficou até 1974. Desde então, ficou vazio e passou a ser ocupado por sem-teto, retirados em 2001. O imóvel não é tombado, mas está inscrito na zona de preservação do Corredor Cultural do centro. "O prédio terá um destino digno."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.