Pais que abandonaram bebê em lixeira no Guarujá são presos

José Nilton de Jesus Menezes e Renata Moreira Lima confessaram o crime

Rejane Lima, da Agência Estado,

12 Dezembro 2008 | 21h39

Os pais da recém-nascida que no último dia 30 foi encontrada por um cachorro em uma lixeira na periferia do Guarujá, na Baixada Santista, foram detidos nesta sexta-feira, 12, e confessaram o crime. O autônomo José Nilton de Jesus Menezes, de 37 anos, e a dona-de-casa Renata Moreira Lima, de 35 anos, foram detidos por volta das 14 horas em casa, no Pae Cará, em Vicente de Carvalho, mesmo bairro onde a menina foi encontrada. Os policiais civis da Delegacia Sede do Guarujá chegaram ao casal após investigações e diligências. De acordo com o depoimento prestado à policia, o casal já tinha seis filhos e não teria condições de cuidar de mais uma criança. Segundo o depoimento de Menezes, ele estava separado da esposa e não concordou com a atitude dela de abandonar o bebê. Ele afirmou que só desconfiou que a menina fosse a sua filha ao ver pela televisão a mochila cor-de-rosa em que a menina havia sido colocada. Ele disse que teve vontade de visitar a criança no hospital Santo Amaro, porém, não queria incriminar a ex-esposa. O delegado adjunto do Guarujá, Luiz Ricardo Lara Dias Junior, afirmou que a polícia abriu inquérito por abandono de incapaz e que o caso agora será tratado pela Delegacia de Defesa da Mulher. Menezes já tinha passagem criminal: ele foi condenado e cumpriu pena de 10 meses e dois dias por tentativa de roubo. "Batizada" de Maria Eduarda pelas enfermeiras do hospital, a recém nascida foi colocada na lixeira em frente a residência da dona de casa Zilda Lopes da Silva, de 53 anos, que percebeu a presença do bebê ao ser alertada pelos latidos de seu cachorro Nick, um "mestiço de mini pastor" de cinco anos. A menina ficou alguns dias internada e agora esta no abrigo municipal Casa Alma. Foi encontrada com o cordão umbilical amarrado com um fio-dental e pesando 4,5 quilos. É uma criança saudável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.