Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Pais e alunos buscam nova diversão nas férias em SP

Pistas de patins e parques de trampolins são as opções para sair dos shoppings

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

07 Janeiro 2017 | 22h00

Com a chegada das férias, pais e estudantes estão buscando atividades de lazer pela cidade e têm encontrado nas pistas de patins e nos parques de trampolins uma forma de fazer algo divertido e fora dos shoppings.

A arquiteta Camila Giusti Aun, de 38 anos, conheceu neste mês um parque de trampolins com os filhos José, de 8 anos, e João Felipe, de 4, além de amigos da criança, totalizando um grupo de 13 pessoas que aceitaram o desafio de pular em uma área de 520 m² de camas elásticas. “É muito bacana. Tira as crianças de casa e elas fazem um esporte. Em casa, acabam caindo na televisão. É bom inovar.” A arquiteta aproveitou para se divertir. “Pulei e dei um (salto) mortal. Nunca mais tinha feito isso e é uma delícia.”

O advogado Rodrigo Tedesco, de 33 anos, levou o filho Rafael, de 5 anos, e a sobrinha Isabella, de 9, para brincar por indicação de uma amiga da família e não se arrependeu. “Eles adoraram. É bem fora do comum e ajuda a gastar energia, porque haja atividade para fazer com as crianças durante as férias. Depois, eles vão almoçar, curtir uma piscina e descansar.”

Tedesco diz que a atividade deixa os pequenos entretidos e evita a série de pedidos por presentes que pode ocorrer em um centro de compras. “Aqui, não tem a opção de brinquedos, como nas lojas. O foco é na brincadeira e na diversão.” O advogado enviou fotos para a mulher e diz que pretende voltar. “Deu vontade de pular, mas estava só olhando. Mostrei para a minha mulher, que está trabalhando, e ela disse que vem, mas para pular também.” Isabella elogiou a atividade. “Foi bem divertido.”

Sócio-proprietário da empresa Urban Motion, Caleb Beard diz que o parque foi inaugurado em abril de 2016 e logo conquistou o público. “É uma coisa nova para pessoas e uma maneira de brincar todo mundo junto. A atividade é para toda a família. Às vezes, os pais nem chegam com a intenção de brincar, mas acabam participando.”

Beard diz que o trampolim supera a esfera da diversão. “É um exercício bom para o corpo, queima calorias e é saudável.” Bastam dez minutos no local para ver a expressão de felicidade em adultos e crianças. Além de dar orientações e evitar acidentes, monitores também dão saltos radicais e chamam a atenção dos presentes. O preço pela hora varia de R$ 39 a R$ 49.

Patins. A vendedora e estudante de Ciências Biológicas Drielli Cecília Nascimento, de 26 anos, aprendeu a andar de patins há um ano e meio e vai aproveitar as férias da faculdade para patinar ao som de disco music em uma pista recém-inaugurada na Casa Verde, zona norte.

“A pessoa pode aprender passos de dança, andar de costas.” Quem apresentou o espaço foi uma amiga, a estudante de Biologia Cindy Junqueira, de 20 anos. “A gente consegue se divertir gastando pouco e tem como aproveitar o tempo livre.” Cindy já foi com o irmão de 11 anos e com primos de 3 e 4 anos para patinar.

Thor Medeiros, gerente-geral da Mega Roller Skate Park, diz que vários pais têm buscado o espaço para ter uma opção de lazer. “O paulistano está procurando um lugar de lazer que não seja o shopping, que é um lugar seguro, mas, com a crise, é caro ir a um local de compras. Qualquer brinquedo que os pais compram sai caro.”

Gerente de marketing da Roller Jam, Luis Augusto Petro diz que a casa foi aberta há quatro anos e o período de férias costuma atrair muitas pessoas. “A pista envolve os pais pela música e os filhos pela patinação.”

SERVIÇO

URBAN MOTION. R. DR. RUBENS GOMES BUENO, 288, VÁRZEA DE BAIXO

SEGUNDA A SEXTA: R$ 44/HORA; SÁBADOS E DOMINGOS: R$ 49 POR HORA.

MEGA ROLLER SKATE PARK. RUA JOSÉ DE OLIVEIRA 1.011, CASA VERDE. SEGUNDA A SEXTA: R$ 30 COM ALUGUEL DE PATINS OU SKATE INCLUSO; SÁBADOS E DOMINGOS: R$ 35 E R$ 10 PARA ALUGAR.

ROLLER JAM. RUA FERNANDO FALCÃO, 393, MOOCA. TERÇA A QUINTA: R$ 15; SEXTAS: R$ 30; SÁBADOS E DOMINGOS: R$ 15 POR PERÍODO DE 4 HORAS

Mais conteúdo sobre:
Rafael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.