Painel de Di Cavalcanti pode ser visto de perto

Visitantes vão usar andaime para apreciar obra de 48 metros e 26 mil[br]pastilhas que está sendo restaurada na fachada do Cultura Artística

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2010 | 00h00

A partir de julho, o paulistano poderá ver de perto um símbolo da cidade. O painel de 48 metros de Emiliano Di Cavalcanti, na fachada do Teatro Cultura Artística, no centro, será "exposto à visitação" pela primeira vez. Por meio da passarela metálica utilizada para o restauro do painel - avariado por um incêndio em agosto de 2008 -, visitantes poderão ficar a poucos metros da obra. As visitas serão gratuitas e devem ir até junho de 2011.

Desde que o painel foi inaugurado, em 1950, o visitante que quisesse vê-lo teria de se contentar em olhar para cima, para os cinco metros que separam a obra de arte do chão, na Rua Nestor Pestana. "Agora, encontramos uma outra forma de "apresentar" o painel à sociedade, com detalhamento nunca antes proporcionado. O restauro é uma oportunidade única de mostrar a obra de perto", disse Eric Klug, responsável pelas relações institucionais da Sociedade Cultura Artística.

Obra mais extensa do artista plástico Di Cavalcanti, o painel Alegoria das Artes - um mosaico composto por 26 mil pastilhas de vidro - começou a ser restaurado na semana passada, após três meses de obras para construção da passarela metálica.

"Abrir a área para visitação é também uma forma de mostrar aos nossos apoiadores como a reconstrução do teatro está evoluindo", disse Klug. O restauro do painel foi orçado em R$ 1,7 milhão, valor captado da iniciativa privada.

Detalhes sobre as formas de visitação - como os dias em que será possível subir à passarela e a área exata em que visitantes poderão circular - ainda estão sendo definidos e serão divulgados em um evento fechado, em 29 de junho.

"Estamos definindo também como será feito o monitoramento e o agendamento das visitas para um público diverso, que vai de pessoas com interesses específicos, como restauradores e arquitetos, e interessados somente em conhecer a obra, como visitantes em idade escolar", afirmou Klug.

Além de mostrar o painel, será montada no teatro uma área expositiva, que mostrará o acervo da quase centenária instituição, fundada em 1912. "Depois do incêndio, levamos os programas, fotografias, todo o material que sobrou para um galpão, e começamos a catalogação", explicou Klug. "Estamos fazendo um apanhado para decidir como será a exposição, já a partir do mês que vem." Neste ano, também foi iniciada a digitalização do acervo do teatro, com término previsto para 2012.

Reconstrução. A reconstrução do Cultura Artística deve começar ainda neste ano. Com projeto do arquiteto Paulo Bruna, o ambiente deve ser reformulado, com manutenção apenas do painel, de parte da fachada e do foyer. Em vez de duas salas, haverá apenas uma, com 1.406 lugares, dividida em níveis.

A obra está orçada em R$ 75 milhões, captados de empresas privadas - até aqui, foram arrecadados cerca de R$ 30 milhões. A expectativa da Cultura Artística é inaugurar o teatro até o fim de 2012, ano em que a Sociedade completa 100 anos de fundação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.