Pai entrega suspeito de matar PM na Rocinha

A Polícia Civil do Rio prendeu ontem Rafael da Silva Barros, de 18 anos. Ele é um dos suspeitos do assassinato do soldado da Polícia Militar Diego Bruno Barbosa Henriques, de 24 anos, ocorrido na quinta-feira na Favela da Rocinha, em São Conrado, na zona sul carioca.

MARCELO GOMES / RIO, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2012 | 03h06

Rodrigues foi executado com um tiro na cabeça, enquanto fazia um patrulhamento a pé na parte alta da Rocinha. Ele ainda chegou a ser levado ao Hospital Miguel Couto, na Gávea.

Desde o início do programa das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), em dezembro de 2008, foi o terceiro policial militar morto em comunidades que já têm UPPs instaladas ou que estão em processo de pacificação, como é o caso da Rocinha - conforme já anunciado, a favela ganhará a UPP na quinta-feira.

Viaduto. Barros foi encontrado por agentes da 14.ª Delegacia de Polícia (Leblon) dormindo sob um viaduto que liga a Praia de Botafogo a Laranjeiras, na zona sul do Rio. O pai do rapaz revelou o paradeiro do filho à polícia por temer que ele fosse morto. No momento da abordagem, Barros não portava armas nem drogas. Ele também não resistiu à prisão.

Barros e outro acusado, Ronaldo Azevedo Oliveira da Cunha, de 24 anos, tiveram decretada prisão temporária por 30 dias. Cunha está foragido. A polícia divulgou fotos dos dois no sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.