Pai de jovem atropelador diz que pagou propina à PM

Bussamra afirma que pediram R$ 10 mil para liberar veículo envolvido em morte; comando manda prender policiais

Clarissa Thomé e Gabriela Moreira, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2010 | 00h00

O pai e o irmão de Rafael Bussamra - acusado de atropelar e matar Rafael Mascarenhas, de 18 anos, na terça-feira - foram chamados à delegacia ontem. A polícia do Rio queria saber se a família tentou ocultar as avarias no Siena de Bussamra, segundo indicou o funileiro Paulo Sérgio Gentile Muglia.

No depoimento, Roberto Bussamra disse que os policiais militares que abordaram seu filho na saída do túnel onde aconteceu o atropelamento que matou o filho da atriz Cissa Guimarães exigiram R$ 10 mil para que ele não fosse conduzido à delegacia. Como o jovem não tinha aquele dinheiro na hora, combinaram que o pagamento seria feito na manhã daquele dia, no centro do Rio.

Roberto havia decidido entregar apenas R$ 1 mil mas, segundo contou à delegada Bárbara Lomba, naquele momento recebeu a ligação da mulher, dizendo que a vítima era filho da atriz. E estava morto.

Afastados. Roberto contou ainda que passou mal com a notícia, mas que os PMs arrancaram de suas mãos o dinheiro e foram embora. As informações do depoimento, realizado no 19.º DP, na Gávea, foram divulgadas pelo Jornal Nacional, da TV Globo.

Os dois PMs envolvidos na extorsão, o sargento Marcelo Leal de Souza Martins e o cabo Marcelo Bigon, já foram afastados pelo comando da corporação e respondem a Inquérito Policial Militar (IPM). Imagens gravadas na saída do túnel mostram os policiais liberando o atropelador, logo após o acidente. À noite, o comandante da PM, coronel Mário Sérgio Duarte, mandou prender os dois policiais.

Prisão. Já o funileiro contou à polícia que, ao chegar para trabalhar, encontrou o carro na porta da oficina, na frente da casa da família Bussamra, em Quintino, na zona norte do Rio. Mais tarde, Roberto Bussamra teria ligado, pedindo que apressasse o conserto, pois precisava do carro para trabalhar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.