Pai de Eloá é acusado de pelo menos quatro homicídios

Everaldo está foragido e é acusado de fazer parte de um grupo de extermínio em Alagoas

Eduardo Reina e Bruno Tavares, de O Estado de S. Paulo,

22 de outubro de 2008 | 16h50

O ex-cabo da Polícia Militar de Alagoas Everaldo Pereira dos Santos, pai da garota Eloá Cristina Pimentel, tem pelo menos quatro homicídios em sua ficha corrida. Ele está foragido. A atuação de Everaldo em um grupo de extermínio chama atenção na descrição feita pela Polícia Civil de Alagoas. O histórico feito pela polícia aponta que Santos "é frio e perverso, costuma queimar os cadáveres de suas vítimas". Além do assassinato do ex-delegado Ricardo Lessa e do motorista Antenor Carlota da Silva, em 9 de outubro de 1991, também pesa sobre o pai de Eloá acusação da morte do agricultor Josenildo Pereira da Silva, dentro da UTI do Pronto Socorro de Maceió.   Veja também:  Vizinhos de Eloá descrevem à polícia tiro antes da invasão Nayara recebe alta e presta depoimento no próprio hospital Leia o depoimento de Nayara após ser libertada  Lindemberg sai do isolamento em Tremembé nesta quarta-feira  Lindemberg diz que só atirou em Eloá após invasão da polícia   Polícia quer depoimento de Nayara ainda nesta semana   PMs não são unânimes sobre tiro antes de invasão no caso Eloá   Especial: 100 horas de tragédia no ABC     Mãe de Eloá diz que perdoa Lindemberg   Imagens da negociação com Lindemberg I     Imagens da negociação com Lindemberg II     Especialistas falam sobre o seqüestro no ABC    Galeria de fotos com imagens do seqüestro    Todas as notícias sobre o caso Eloá       Josenildo havia se envolvido em discussão que terminou em briga, e acabou matando o cabo PM Nogueira, no município de Batalha, em Alagoas. Agora, também pesa contra Everaldo a suspeita do homicídio do capitão PM Aragão. Em entrevista ao Estado na terça-feira, Santos negou que tenha matado e participado de grupo de extermínio no Nordeste. Ele alegou ser vítima de um grupo de poderosos que envolve políticos e fazendeiros, além de policiais civis.   O diretor adjunto da Polícia Civil de Alagoas, José Edson dos Santos, deve viajar a São Paulo nesta quarta-feira, 22, com os documentos renovando os decretos de prisão de Everaldo. Ele também tem a intenção de visitar o apartamento onde ocorreu o seqüestro pra tentar encontrar alguma pista do paradeiro do ex-PM. Em entrevista ao SPTV, o advogado Ademar Gomes, que faz a defesa de Everaldo Pereira dos Santos, defendeu que seu cliente cumpra pena em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.