Pai de Eliza foi condenado por estuprar a outra filha

O pai de Eliza, Luiz Carlos Samudio, admitiu ontem que responde na Justiça a um processo em que é acusado de ter violentado uma criança de 10 anos ? a filha dele com a ex-cunhada, com quem teve um caso. Condenado em primeira instância a 8 anos de prisão, Samudio recorreu da sentença, mas teve todos os pedidos negados até agora. "É questão familiar", disse ontem.

Fabiula Wurmeister, enviado especial para o Estado/ Foz, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2010 | 00h00

Na denúncia feita pela mãe da menina, Rosane Pilger, Samudio é acusado de ter abusado sexualmente da filha nos fins de semana em que a menina dormiu na casa dele. As investidas teriam começado em 2003. As denúncias foram confirmadas pela garota ? hoje com 17 anos, casada e mãe de dois filhos.

O advogado Sérgio da Silva garante que o cliente não é culpado e teria sido condenado com base em provas contestáveis. O defensor acredita que a mãe de Eliza, Sônia Fátima Moura, de 44 anos, estaria expondo esse caso com a intenção de obter a guarda do neto de 4 meses

Procurada, Sônia negou essa intenção, mas admitiu que vai buscar a guarda. "Ora, eu sofri muito com meu ex-marido, de tudo. Violência física, apanhei, sim, mas o que mais doía era proibir de ver minha filha (Eliza). Eu ficava às escondidas, na porta da escola, para ver a menina, minha filha. Eu não desejo uma vida dessas para ninguém."

Ela chegou a viver com Eliza anos depois, mas houve problemas de relacionamento. "Isso foi em 1999, depois foi para São Paulo, mas mantivemos contatos por telefone, nunca deixei de falar com ela ou saber notícias." / COLABOROU JOÃO NAVES DE OLIVEIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.