Pai da menina que caiu de prédio ficou desesperado, diz vizinho

Polícia diz que a tela de proteção da janela foi cortada e que a garota 'não sofreu uma queda acidental'

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

31 de março de 2008 | 14h26

Um morador do prédio na zona norte de São Paulo, onde uma menina de 5 anos caiu na noite de sábado, 29, disse que presenciou o desespero do pai dela logo após a queda. "Ele olhava a criança, escutava o coração... Ele ia da criança, no jardim, até o parapeito do prédio para a rua desesperado", contou o vizinho.  O pai da menina contou aos policiais que a morte dela ocorreu depois que eles voltaram da casa da sogra. Ele disse que primeiro levou a filha para um quarto, onde ela ficou dormindo. Depois, voltou à garagem do prédio para ajudar a mulher a subir com os outros dois filhos.  Ainda em depoimento, o pai disse que quando subiu de volta ao apartamento achou que havia algo estranho. A luz do quarto - que ele garantiu ter apagado - estava acesa. Alexandre também disse que não viu a filha sobre a cama, e achou que ela havia caído no chão do quarto. Depois percebeu a tela cortada. Olhou do alto e viu a filha caída no jardim do prédio.  A polícia diz que a tela de proteção foi cortada. "Ela não sofreu uma queda acidental. Alguém rompeu a tela protetora da janela e jogou essa criança", afirmou o delegado Calixto Calil Filho, titular do 9º Distrito Policial, no Carandiru.  Na tarde de domingo, 30, o delegado disse que a polícia ainda não tinha como apontar quem jogou a criança do sexto andar do prédio. "Não há indício forte contra ninguém. Não há indício algum de participação deste ou daquele."  Enterro O corpo da menina foi enterrado por volta das 9h40 desta segunda-feira, 31. Cerca de 200 pessoas acompanharam o enterro, que aconteceu no Cemitério Parque dos Pinheiros, na mesma região.  Durante o enterro, o pai e a mãe da garota ficaram um do lado do outro. Ele e a madrasta da menina prestaram depoimento à polícia até o início da madrugada desta segunda-feira. O casal, segundo a polícia, não é considerado suspeito, mas apenas averiguado. Os dois fizeram exames toxicológicos.  De acordo com o delegado, os resultados dos laudos vão ser peças fundamentais para que se chegue ao responsável pela queda e conseqüente morte. A polícia pretende, também, fazer a reconstituição do crime. O delegado descartou a hipótese de acidente e acredita que a menina tenha sido assassinada. Havia sangue no quarto onde ela estava e um buraco na tela de proteção da janela. IML O corpo da menina foi levado domingo ao Instituto Médico Legal (IML). De acordo com os médicos, a criança apresentava ferimentos, que podem ter ocorrido antes da queda. "Alguém possivelmente deve ter ferido essa criança, lesionado e depois arremessado. É uma das hipóteses", afirma Calil. No prédio onde o pai da menina mora com a madrasta, o porteiro informou que a família se mudou há uma semana e que, após o caso, a segurança no local foi reforçada.

Tudo o que sabemos sobre:
violência contra criançaassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.