Fabio Motta/AE–5/3/2011
Fabio Motta/AE–5/3/2011

Paes: ''Carnaval do Rio está no limite''

Para prefeito, é preciso afastar ''blocos comerciais'' da zona sul; danos em prédios e uso de ruas como mictório viraram rotina

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

08 Março 2011 | 00h00

Depois de comemorar o recorde de público do Cordão da Bola Preta, que desfilou com cerca de 2 milhões de foliões no centro do Rio no sábado de carnaval e deve desbancar o Galo da Madrugada como o maior bloco do mundo, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) reconheceu que o carnaval de rua carioca "está no limite".

Paes prometeu regras mais rígidas para o que chamou de blocos comerciais, avisando que vai afastá-los da zona sul da capital fluminense. Na região, a prioridade será para as agremiações tradicionais e a festa espontânea da população do Rio, afirmou o prefeito na noite de domingo.

"Não tem por que autorizar esse blocos que vêm tocar axé music. Não entra mais ninguém nessa festa, a não ser manifestações espontâneas das pessoas na cidade. Esses blocos comerciais que identificamos vão levar um chega pra lá", afirmou Paes, que descartou qualquer hipótese de criar um espaço específico novo para apresentação dos grupos carnavalescos de rua. "É óbvio que a gente está no limite. Mas não vou criar um corredor de bloco na cidade. Tudo que forçar a barra, ou seja, pegar todo mundo e levar para o mesmo lugar, criar camarote para bloco, nada disso será feito."

Entre os problemas registrados no carnaval 2011 do Rio estão o uso das ruas como mictório - até a tarde de ontem, 585 pessoas foram presas por urinar nas vias (entre elas, 16 mulheres e dois estrangeiros) -; danos contra canteiros, portarias de prédio e carros; congestionamentos e tumultos em estações de metrô.

Em geral, os foliões alegam que há poucos banheiros químicos e, neste carnaval, têm adotado uma estratégia para driblar a vigilância: urinam no meio do bloco, tentando evitar a prisão.

Lixo. A sujeira nas ruas piorou no carnaval. De sexta a domingo, foram recolhidas 360 toneladas de lixo - 80 toneladas apenas no domingo.

Há mais problemas. Depois do desfile do Bloco Simpatia, foliões arrombaram as portas da Estação General Osório do metrô, em Ipanema, que tinham sido fechadas por segurança. Há também queixas de moradores da zona sul "sitiados" por blocos, mesmo em situações em que precisam sair rapidamente - para levar parentes para receber socorro médico, por exemplo.

Os problemas se agravaram com o crescimento do número de visitantes à cidade neste ano, inclusive muitos turistas de outros países. Mesmo assim, Paes avalia que "o carnaval de rua é um grande sucesso".

O prefeito informou que convocará no ano que vem equipe do Guinness Book of Records para aferir se o Bola Preta ultrapassou o Galo da Madrugada, de Recife, em número de foliões. O Galo ostenta título de maior bloco do mundo. "O Bola Preta deu uma chinelada no Galo da Madrugada, que está cocoricando mal cocoricado até agora."

O prefeito chegou à Sapucaí na noite de domingo antes da apresentação da primeira escola e saiu depois da última. Vascaíno, juntou-se ao grupo do jogador rubro-negro Ronaldinho Gaúcho, que causou frisson onde passou. / COLABORARAM WILSON TOSTA E GLAUBER GONÇALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.