Nilton Cardin/Sigma Press
Nilton Cardin/Sigma Press

Padre Antônio Maria é feito refém em assalto a mosteiro no interior de SP

Antes de ir embora, padre abraçou um dos assaltantes: 'Senti que ele era um coitado'; ninguém se feriu

João Carlos de Faria, especial para O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2012 | 19h25

TAUBATÉ - O Padre Antonio Maria, conhecido pela sua atuação como cantor católico, foi vítima de um assalto na noite de quarta-feira em sua residência, no mosteiro Ain Karim, localizado na zona rural de Jacareí, a 82 km de São Paulo. Seis homens armados e encapuzados invadiram o local, onde havia 15 pessoas - incluindo o religioso -, que mora numa casa separada, onde foi rendido. Todos foram confinados em um quarto sob a mira da arma de um dos ladrões, enquanto os demais vasculhavam todos os cômodos da casa em busca de um suposto cofre.

Os ladrões levaram uma televisão, um DVD e um computador que estavam na sala de convivência das irmãs, além de R$ 1,1 mil. Na expectativa de encontrar o suposto cofre, eles reviraram a casa e retiraram os quadros da parede. Segundo o padre, eles queriam dinheiro e prometiam não molestar as vítimas. "Eles disseram que não iam fazer mal nenhum, mas que queriam dinheiro", afirmou o religioso à imprensa.

Padre Antonio Maria tentou convencer os ladrões de que não havia dinheiro na casa, como eles imaginavam. "Nós lutamos com dificuldade. As pessoas imaginam que eu nado em dinheiro, porque canto, porque tenho discos, vou à televisão, porque sou amigo do Roberto Carlos. Isso não quer dizer nada", afirmou.

Ele disse ter sido vigiado por um dos homens - para quem prometeu rezar muito - e que foi convencido a soltá-lo. "Disse a ele 'vou rezar muito por você, por vocês, vai falar isso para os teus amigos' e fiquei lá conversando com ele". Ao final o ladrão foi abraçado pelo padre. "Eu o abracei e ele me abraçou e eu senti que ele era um coitado", diz o padre.

Durante o assalto ninguém ficou ferido. depois que os ladrões foram embora, Padre Antonio Maria e as freiras conseguiram escapar, chamaram a Polícia Militar, que prometeu reforçar a segurança no local. Uma equipe da Polícia Civil também já investiga o crime. Segundo a assessoria do religioso, apesar de assustado, sua agenda foi mantida, estando programada para essa sexta-feira, uma apresentação no Rio Grande do Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.