Arquivo pessoal/Divulgação
Arquivo pessoal/Divulgação

Padrasto de Joaquim prestará seu último depoimento nesta tarde

Principal suspeito pela morte do garoto, em Ribeirão Preto, será indiciado por homicídio doloso

Rene Moreira, O Estado de S. Paulo

13 Dezembro 2013 | 14h03

RIBEIRÃO PRETO - O principal suspeito da morte do garoto Joaquim, Guilherme Longo deixou a cadeia de Barretos, onde está preso, e voltou à DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto nesta sexta-feira, 13. Ele chegou por volta do meio-dia e em seguida voltou a conversar com uma psicóloga que está traçando o seu perfil e o de Natália Ponte, mãe de Joaquim. O menino, então com 3 anos, desapareceu no dia 5 de novembro de sua casa em Ribeirão e teve o corpo encontrado em um rio de Barretos cinco dias depois.

Abordado por um repórter, o padrasto do menino disse que não sabe o que está acontecendo e que depois de encerrado o inquérito vai falar e provar sua inocência. Já o delegado Paulo Henrique Martins de Castro contou que também vai colher o depoimento de Guilherme nesta tarde. Será a última vez que ele vai falar à polícia antes de ser indiciado por homicídio doloso.

O delegado diz já ter o suficiente para indiciar o padrasto do menino, quanto à mãe ainda há dúvidas se será denunciada. Se isso acontecer, ela responderá por omissão, um crime bem mais leve que o do companheiro.

Mais conteúdo sobre:
joaquimribeirão preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.