Pacote do governo prevê novo aeroporto internacional em SP

Congonhas vai deixar de ser ponto de distribuição de vôos; conexões passarão a ser proibidas

Renata Veríssimo e Fabio Graner, Agência Estado

20 de julho de 2007 | 17h34

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, acaba de confirmar que o governo federal determinou a construção de um novo aeroporto para desafogar o tráfego aéreo em Congonhas. No prazo restrito de 90 dias, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deverá apresentar um estudo com locais e viabilidades para a instalação do novo aeroporto.  As medidas anunciadas pelo governo federal Segundo Dilma, as medidas anunciadas para o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, "são emergenciais e de curto prazo, e visam aumentar o grau de confiança na utilização do aeroporto". A ministra ressaltou, entretanto, que as medidas estão sendo adotadas, embora o governo acredite que as operações no aeroporto estão sendo feitas dentro das normas de segurança. Dilma Roussef disse ainda que o Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac) está mudando substantivamente a vocação do Aeroporto de Congonhas, que passará a ter apenas vôos diretos ponto a ponto e não servirá mais como ponto de distribuição (hub).  A ministra citou que o alto tráfego no terminal aeroportuário paulista se deve ao interesse dos usuários, que preferem utilizar este aeroporto, que é mais central, do que utilizar o Aeroporto de Guarulhos (Cumbica). Segundo a ministra, é justamente essa procura que torna Congonhas incompatível para ser um ponto de distribuição. "Esse é um processo longo. As empresas vão ter que se acostumar e se adequar a isso", disse Dilma. Sensibilizados pelo desastre Ela reconheceu, entretanto, que o acidente envolvendo o Airbus A-320 da TAM também motivou esta decisão. "Obviamente que estamos sensibilizados, como todos os brasileiros, com este desastre que aconteceu com o avião da TAM. Mas nós achamos que, com a leitura das caixas pretas, as razões do acidente serão objetivadas", afirmou. Dilma anunciou ainda que o Conac fará uma readequação da malha aérea para os vôos internacionais. "Não é algo trivial, por isso tem prazo para ser feito. Mas a idéia do Conac é fazer mudanças significativas no curto prazo", relatou. Ainda durante a coletiva, Dilma afirmou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também reduzirá o peso das aeronaves que utilizarem a pista principal de Congonhas. Segundo ela, esta medida já estava sendo adotada para a pista auxiliar e explicou que o peso varia de aeronave para aeronave.  Veja também: Lista de vítimas do acidente do vôo 3054  O local do acidente  Quem são as vítimas do vôo 3054  Histórias das vítimas do acidente da TAM  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Acidentes em Congonhas  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.