Paciente temem falta de remédio contra o câncer

Pacientes do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC), zona leste da capital, tomaram conhecimento da Operação Medula 3 ontem pela TV da recepção. Eles agora temem novos furtos e tratamentos prejudicados.

O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2012 | 03h06

"Se fizeram antes, nada impede que façam de novo. Espero que minha mãe não tenha problemas", disse Ana Lúcia da Silva, de 40 anos. Sua mãe, a aposentada Maria Almerina da Silva, de 60 anos, passara ontem à tarde por uma cirurgia de câncer de mama. Ela é atendida pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Apesar do receio, pacientes da quimioterapia disseram nunca ter sofrido com a falta de medicamentos. Um enfermeiro afirmou que o tratamento não costuma ser interrompido.

Médicos, no entanto, criticam a segurança. "É muito mal controlado. Deveria ter mais rigor no estoque", disse um médico. O IBCC tem 75 leitos, e o SUS usa 67% deles. / FELIPE TAU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.