Paciente atropela anestesista do Instituto do Câncer

A médica sofreu traumatismo craniano ao ser atingida na calçada do hospital e foi internada em estado grave no HC

Priscila Trindade e José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2011 | 00h00

A anestesista Caroline Fernandes Murakami, de 28 anos, teve traumatismo craniano depois de ser atropelada na calçada na frente do Instituto do Câncer, na Avenida Doutor Arnaldo, zona oeste de São Paulo, na manhã de quinta-feira. De acordo com o boletim de ocorrência, o motorista do carro era um paciente. Seu nome não foi divulgado nem a forma como aconteceu o acidente.

A médica foi atropelada quando chegava para trabalhar. Socorrida por pessoas que passavam pelo local, ela foi levada rapidamente para o Hospital das Clínicas (HC), onde permanece internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave. Caroline passou quase toda a quinta-feira no centro cirúrgico e deveria passar por outras cirurgias ontem, que permitiriam avaliar melhor o quadro.

Ambulância. Anteontem, um acidente com uma ambulância causou a morte de oito pessoas, no km 126 da Rodovia Raposo Tavares, em Araçoiaba da Serra, região de Sorocaba. Todas as vítimas, incluindo uma criança de 2 anos de idade, eram pacientes que retornavam do atendimento em hospitais de São Paulo e Sorocaba.

A ambulância pertencia à Secretaria de Saúde do Estado e era usada na rede de saúde de Sarapuí, outra cidade da região.

De acordo com informações da Polícia Rodoviária Estadual, o veículo, um Fiat Doblò, saiu da pista e se chocou contra uma árvore. No local, a rodovia tem pista simples e tráfego intenso. Seis passageiros da ambulância morreram na hora e outros dois foram levados em estado grave para o Hospital Regional de Sorocaba, onde morreram. De acordo com a polícia, o veículo tinha capacidade para transportar apenas cinco pessoas. As causas do acidente serão apuradas em inquérito policial.

Campanha

61% foi a redução na quantidade de atropelamentos na região central de São Paulo após o início da aplicação de multas para quem desrespeita os pedestres. Foram 13 atropelamentos nos 35 cruzamentos monitorados, entre 11 de maio e 10 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.