Outros projetos para a região ainda não saíram do papel

O Circuito das Compras anunciado pela Prefeitura ontem soma-se a uma série de projetos pensados e divulgados para aquela área do centro. Alguns nem saíram do papel. Outros saíram, mas foram por água abaixo.

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2011 | 00h00

O próprio Circuito está nos planos da Prefeitura desde 2009, quando a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho contratou, por R$ 498 mil, uma empresa terceirizada para "recensear" os ambulantes.

Um outro é a reurbanização da Rua do Gasômetro, no Brás, orçada em R$ 11 milhões e com início das obras previsto para setembro passado. Lá, o projeto paisagístico inclui, além de postes de iluminação sem fios e revitalização dos canteiros, o alargamento das calçadas de ruas laterais, como a Rua Monsenhor de Andrade - exatamente a via onde ocorre hoje a Feira da Madrugada.

Kassab anunciou também em 2009 a transformação da área da antiga garagem da Companhia Municipal de Transporte Coletivo (CMTC), no Brás, em bolsão de estacionamento para ônibus fretados. No ano passado, a São Paulo Turismo (SPTuris) afirmou que o projeto seria adiado por "falta de demanda".

A ideia da organização dos ambulantes em shoppings também não é nova - em 1998, a Prefeitura construiu na Rua Barão de Ladário o Pop Center, um centro de compras para legalizar o trabalho dos camelôs de rua, a maioria deles expulsos do Largo da Concórdia.

Um ano depois, os que tinham optado pelo shopping acabaram saindo por falta de movimento nas vendas. Hoje o lugar é um centro de atacadistas.

Os ambulantes acabaram voltando para as ruas e se reorganizando em outros pontos, como a própria Feira da Madrugada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.