Outra médica é indiciada por mortes em hospital

O Núcleo de Repressão a Crimes Contra a Saúde (Nucrisa) da Polícia Civil do Paraná indiciou na segunda-feira à noite a médica Krissia Wallbach, sob a suspeita de ter colaborado com a médica Virgínia Soares de Souza, acusada de matar pacientes da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Evangélico de Curitiba. Virgínia chefiava a UTI desde 2006. A polícia disse que há gravações de conversas entre Krissia e Virgínia que envolveriam a médica no caso. Os prontuários de 18 pacientes são investigados.

JULIO CESAR LIMA, ESPECIAL PARA O ESTADO, CURITIBA, O Estado de S.Paulo

06 Março 2013 | 02h03

Krissia depôs à polícia na segunda-feira. "Fui prestar depoimento e permaneci em silêncio", disse ela ao Estado. "A doutora Krissia está tranquila em relação à sua atividade profissional, mas, como qualquer outra pessoa ficaria, está preocupada com o que está acontecendo", afirmou o advogado Jorge Timi, que a defende.

A promotora Fernanda Nagl Garcez, do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Saúde Pública, começou ontem a analisar o inquérito entregue pela delegada Paula Brisola.

Virgínia foi presa em 19 de fevereiro sob a acusação de homicídio qualificado e formação de quadrilha. Outros três médicos foram presos sob acusação de envolvimento nas mortes. Eles negam. As investigações começaram em 2012, após denúncias anônimas.

O Ministério Público só vai se pronunciar sobre o caso na segunda-feira, quando termina o prazo para o MP oferecer denúncia, pedir novas diligências ou arquivar o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.