Outra amante de Bruno é investigada

Ela estaria na casa do goleiro quando Eliza Samudio chegou e teria ido ao sítio em MG

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

BELO HORIZONTE

A Polícia Civil de Minas pretende convocar para prestar depoimento Fernanda Gomes de Castro, de 32 anos, que seria amante do goleiro Bruno Fernandes e passou a ser investigada no inquérito sobre o desaparecimento de Eliza Samudio, de 25 anos.

Fernanda, de acordo com depoimentos de J., de 17 anos, estaria com Bruno e teria recebido Eliza e seu bebê no condomínio do goleiro, no Recreio dos Bandeirantes, no Rio, quando a vítima foi levada de um hotel na Barra da Tijuca, no dia 4 de junho, antes da viagem para o sítio do atleta em Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte.

A polícia suspeita que Fernanda tenha seguido para Minas com o goleiro e o bebê, enquanto a vítima viajou com Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e J.. Durante a viagem, Eliza teria sido agredida a coronhadas por J., que é primo do goleiro.

A amante de Bruno teria ficado no sítio até 7 de junho, quando voltou ao Rio. O período coincide com o que Eliza teria sido mantida em cárcere privado. Fernanda ainda teria ajudado o atleta a se esconder após a apreensão de J. e a decretação da prisão dele e de outros suspeitos.

A delegada Ana Maria Santos, chefe da Delegacia de Homicídios de Contagem, disse ontem que os primeiros indícios envolvendo Fernanda foram levantados pela Polícia Civil do Rio e seu nome já foi citado em depoimentos. "Com certeza nós vamos enveredar por esse caminho", disse. "Vamos chamá-la para prestar depoimento", afirmou.

Transferência. O juiz titular da Vara da Infância e Juventude de Contagem, Elias Charbil Abdou Obeid, determinou ontem a internação de J. por 45 dias no Centro de Internação Provisória (CEIP) em Belo Horizonte. Após colher o depoimento do menor, o promotor Leonardo Barreto Moreira Alves fez uma representação contra J. "Ele é acusado de ter participado do homicídio, do sequestro e também da ocultação do cadáver", disse.

De acordo com o promotor, o menor ficará à disposição da Justiça até a conclusão de um procedimento aberto no Juizado da Infância e Juventude que correrá paralelamente ao inquérito instaurado pela Delegacia de Homicídios de Contagem. Após ser transferido do Rio de Janeiro para Minas, J. foi ouvido na tarde de ontem por Alves e logo depois participou de uma audiência de apresentação com o juiz.

De acordo com o promotor, J. disse novamente que Bruno não esteve presente no local em que sua ex-amante foi supostamente morta, contrariando declaração de outro primo do goleiro, Sérgio Rosa Sales.

Perícia. A polícia mineira requisitou os trabalhos de um veterinário para tentar recolher material que possa comprovar se Eliza foi mesmo morta como o descrito em depoimentos. Ela teria sido estrangulada pelo ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, esquartejada e seus restos mortais jogados para cães da raça rottweiler.

Dez cachorros foram apreendidos na casa de Bola, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde a jovem teria sido morta. Chamado pela polícia, o veterinário Fernando Pinto Pinheiro sugeriu utilizar um reagente na pelagem dos animais para detectar sangue.

Quem é quem

Marcos Aparecido dos Santos (Marquinhos Paulista ou Bola)

Ex-policial civil apontado como o assassino de Eliza. O crime teria sido cometido dentro da casa dele, em Vespasiano

Elenilson Vitor da Silva

Caseiro do sítio de Bruno, é suspeito de participar do crime. No primeiro depoimento, negou a presença da estudante no sítio, mas voltou atrás. Está foragido

Sérgio Rosa Sales Camilo

Primo de Bruno. Estaria no sítio quando Eliza foi torturada. Supostamente a vigiava no sítio

Wenerson Marques de Souza (Coxinha)

Ofereceu R$ 50 em Contagem para quem cuidasse do filho de Eliza. Confessou que o bebê esteve no sítio. Está foragido

Dayanne Souza

Mulher de Bruno. Foi a primeira a ser presa. É acusada de coautoria no sequestro e ocultação. Teria recebido o filho de Eliza após a morte da mãe

Flávio Caetano de Araújo Teria levado Bruno de carro para um local onde o goleiro se encontrou com J. e Macarrão, de onde seguiram até o local da execução. Está foragido

J.

Primo de Bruno, adolescente confessou que participou do sequestro de Eliza e deu três coronhadas na cabeça dela. Também teria visto ela morrer

Luiz Henrique Ferreira Romão (Macarrão)

É suspeito de levar Eliza para o sítio em Esmeraldas e depois para Vespasiano, onde ela morreu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.