Ossada em Juquitiba pode pertencer a vítima de seqüestro

Restos mortais, encontrados em um poço , podem ser de um comerciante seqüestrado e assassinado em 2005

AE

15 de março de 2008 | 06h45

Pode pertencer a um comerciante seqüestrado e morto em 2005 a ossada humana encontrada, na tarde de sexta-feira, num poço em um sítio no município de Juquitiba, na região oeste da Grande são Paulo. O seqüestro ocorreu em São Bernardo do Campo, na região do ABC, os criminosos foram presos e, depois de confessar o crime, julgados e condenados.  A polícia, porém, sabia do assassinato mas não havia localizado o corpo do comerciante. Agora, exames de DNA serão realizado na ossada para confirmação ou não da identidade da vítima. Segundo policiais da Delegacia Seccional de Taboão da Serra, o encontro só foi possível após a denúncia de um vizinho, que afirma ter sido informado do fato pelo caseiro do sítio.  A partir daí uma equipe de policiais seguiu para o local e achou a ossada naquele poço com mais de seis metros de profundidade. Até a noite de sexta-feira o caseiro não foi ouvido pela polícia que agora quer saber se ele também estaria envolvido no seqüestro. Caso não esteja, ele deverá de explicar como soube que um cadáver foi atirado naquele poço.

Tudo o que sabemos sobre:
Juquitibaossada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.