Os caminhos da reciclagem

A ausência de políticas eficazes de gestão de resíduos sólidos custa muito caro para o contribuinte e para o País ? se se considerar também o desperdício de recursos. Sem reaproveitamento e/ou reciclagem de materiais, tornam-se necessárias novas áreas para aterros sanitários, já que São Paulo está com os seus esgotados. E um novo aterro, segundo estudo da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), custa R$ 528,5 milhões, para receber 2 mil toneladas por dia. Como São Paulo produz cerca de 13 mil toneladas diárias de lixo domiciliar e comercial, não é difícil fazer a conta e chegar à casa dos R$ 3 bilhões. A esses valores é preciso adicionar uns R$ 80 por tonelada de custo de coleta, segundo o Ipea. Ou mais de R$ 1 milhão por dia. E ainda faltam os custos de operação e manutenção do aterro. Como também o valor dos materiais desperdiçados.

Washington Novaes, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2010 | 00h00

Mas a reciclagem, para dar certo mesmo e sair do terreno da ficção em que vive em quase toda parte, precisa ser feita por cooperativas (para gerar trabalho e renda) que sejam parte de um processo integrado, de ponta a ponta. É preciso dotar essas cooperativas de caminhões de coleta, que já venham com contêineres separados para lixo orgânico e lixo seco; criar para elas usinas de reciclagem, onde o lixo seco seja todo destinado à compostagem, para produzir fertilizantes utilizáveis em canteiros, jardins, reposição de encostas, reconstituição de paisagens; transformar todo o papel e papelão em telhas com revestimento de betume (para impermeabilizá-las), mais resistentes que as de amianto, mais leves, não tóxicas, mais baratas; transformar todo o PVC em pellets (para indústrias que os utilizem como matéria-prima) ou em mangueiras pretas (para adicionar valor); latas, vidro moído e outros materiais podem ser revendidos a indústrias que os reutilizem.

Se esse caminho for seguido, pode-se reduzir em 80% o lixo destinado a aterros (economizando também os custos de transporte e deposição). Foi assim com uma cooperativa em Goiânia, quando teve o apoio necessário e recebia da prefeitura pelo lixo coletado em cinco bairros ? mesmo recebendo menos por tonelada que a empresa encarregada da coleta geral. O ideal seria implementar projetos como esse em vários pontos da cidade (para evitar que o lixo viaje). E estendê-los progressivamente, até chegar à totalidade do lixo. Por aí é possível gerar trabalho e renda, reduzir o desperdício e desonerar o cidadão que paga impostos.

É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.