Os arranha-céus em exposição

Em cartaz até sábado no Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2.073), a exposição Os Céus como Fronteira traz 45 fotos - retiradas do livro homônimo, lançado pela Editora Grifo - que ajudam a contar a história da verticalização do Brasil. O trabalho de pesquisa e redação do projeto, que durou um ano, foi empreendido pelos historiadores Zuleika Alvim e Paulo César Garcez Marins.

O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2013 | 02h03

Não faltam exemplos dos emblemáticos prédios paulistanos, como o Martinelli, aberto em 1929, e o Sampaio Moreira, de 1924. Destacam-se, entretanto, histórias curiosas. É o caso do Edifício Esther (na foto), inaugurado em 1936 com uma proposta bastante incomum para a época: o uso misto, com apartamentos residenciais e espaços para escritórios. No início, foi grande a resistência - os possíveis moradores achavam que a proposta configuraria uma quebra de privacidade. O estigma foi derrubado com o tempo. Um dos primeiros a viver no prédio foi o pintor Di Cavalcanti (1897-1976).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.