Órgão aprova tombamento do Jockey

Medida breca construção de prédios em área do Hipódromo da Cidade Jardim

estadão.com.br

14 de junho de 2010 | 17h39

SÃO PAULO - O Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico e Turístico) aprovou em votação nesta segunda-feira, 14, o tombamento da área do Jockey Club de São Paulo. A medida breca construções na área do Hipódromo da Cidade Jardim, visada pelo mercado imobiliário -- agora, as obras terão de passar pela aprovação dos conselheiros do órgão. 

 

O plano do Jockey era ceder 1/6 de sua área, com valor venal total de R$ 300 milhões. O consórcio formado pela Gafisa e OAS  pretendia construir duas torres comerciais, um shopping e mais 1.291 vagas de estacionamento - conjunto batizado de Vila Hípica.

 

Apontando irregularidades na licitação, 12 sócios suspenderam o plano, que incluía também a Chácara do Jockey, na Vila Sônia, e o centro de treinamento em Campinas. O objetivo do Jockey era reduzir gastos e, de quebra, a enorme dívida - só de Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), deve R$ 150 milhões. 

 

Texto atualizado às 20h45.

Tudo o que sabemos sobre:
Jockey Club

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.