Orçamento terá só 2 audiências públicas

Ao contrário do que ocorreu nos últimos anos, o paulistano terá menos chance de debater o orçamento municipal. Apenas duas audiências públicas serão realizadas para colher sugestões dos cidadãos, ante mais de 16 como era praxe desde 2001. Especialistas criticaram a medida e a qualificaram de "retrocesso".

RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2012 | 02h06

A Lei Orgânica do Município, espécie de constituição municipal, determina um mínimo de duas audiências públicas para discussão do orçamento. Mas a Câmara Municipal tem realizado uma audiência em cada região todo ano. Além disso, costumam ser realizadas também audiências temáticas, específicas para assuntos como habitação, transporte e ambiente. Em 2011, foram 20 audiências no total.

"O processo de audiências tem alguns problemas e deve certamente ser aprimorado. Contudo, não há dúvidas de que esse é um espaço legítimo e institucionalizado de participação. A não realização das audiências regionais e temáticas significa retrocesso nesse processo", afirma o cientista político Marco Antonio Carvalho Teixeira, professor da Fundação Getúlio Vargas, em artigo escrito em coautoria com Gabriela de Brelàz, professora da Unifesp. "Não há desculpa ou motivo que justifique a desconsideração desse espaço."

O Estado ligou na sexta-feira para o presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, Milton Leite (DEM), e o relator do orçamento de 2013, Roberto Tripoli (PV), mas eles não atenderam nem retornaram os recados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.